PUBLICIDADE
Topo

Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Menon: Luiz Adriano joga mal, mas perderá emprego por enfrentar a torcida

Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

19/11/2021 16h59

Luiz Adriano está jogando mal. E poucas vezes jogou bem no Palmeiras. Com certeza não justifica, tecnicamente falando, o salário que ganha.

O Palmeiras precisa de um bom centroavante. Abel Ferreira pediu há tempos e não foi atendido. Uma falha na montagem do elenco. Até o São Paulo endividado trouxe Calleri.

O correto para o próximo ano seria de livrar de Luiz Adriano e Deyverson. Mas apenas uma saída será confirmada.

Luiz Adriano vai sair não apenas porque está jogando mal. Vai sair porque oudoy enfrentar com aplausos irônicos os torcedores que o ofendem.

A torcida é assim. Grita, ofende, xinga a mãe, persegue e quando é confrontada, pacífica e ironicamente, corre para fazer manifestos e exigir a saída do jogador. Afinal, ele ofendeu Sua Sacrossanta Entidade Torcida.

Deyverson pode ficar. Pode cuspir em adversário, pode fingir pateticamente agressões - Framboesa nele - pode fazer o que quiser. Ele continua. Não cometeu o erro de ironizar torcedores.

E não é apenas a torcida do Palmeiras. A do São Paulo apressou as saídas de Maicon, Casemiro, Kaká e Luis Fabiano. A do Corinthians foi fundamental na saída de Edílson Capetinha.

Todos se investiram de um poder miliciano. Caçam jogadores na noite. Xingam, ofendem e exigem demissões ao serem confrontados.

Quem pariu, que embale!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL