PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Menon


Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

São Paulo mostra a mesma frouxidão dos tempos de Diniz

Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

23/09/2021 14h00

O São Paulo precisa agradecer aos céus o ponto conquistado diante do América, que jogou melhor.

Há pontos técnicos e táticos a serem questionados.

1) Por que Crespo não fez a quinta substituição?

2) Por que o time jogou apenas 15 minutos com três atacantes? Marquinhos, Calleri e Rigoni.

3) Por que o time jogou 37 minutos com Luan, Liziero e Nestor? Um volante/zagueiro, um volante e um volante/meia?

4) Se Calleri não podia jogar mais que 15 minutos, por que não colocou Eder?

Há outras indagações, com certeza, mas há um ponto muito pior.

O São Paulo não demonstrou externamente que estava sabendo da necessidade de vencer o jogo. Da importância de vencer o jogo para se firmar na luta pelo G-8.

Lutar pelo G-8 já é algo muito abaixo da grandeza do clube. Demonstrar falta de personalidade para chegar lá é muita falta de dignidade.

Galeano, o garoto paraguaio de poucos recursos técnicos, foi a exceção. Tentava correr, lutar, sair da falta de fibra.

O time tinha muitos jogadores jovens. E se comportavam como burocratas. Nada de caminhar com a bola, tentar romper a marcação, pressionar o adversário. Nada. Passes trocados de lá pra cá e de cá pra lá.

Os mais velhos pareciam nervosos. Volpi brigou com Arboleda. Miranda deu um xilique. Reinaldo levou amarelo.

A frouxidão anímica voltou. Como nos tempos de Fernando Diniz.

É o mal a ser erradicado. Sem isso, haverá uma derrocada perigosa.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Menon