PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Menon


Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Estratégia retranqueira de Abel foi um erro.

Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

22/09/2021 16h48

O Palmeiras empatou por 0 x 0 com o Galo e agora pode jogar por empate com gols em Minas.

É triste ver torcedores comemorando empate e dizendo que Abel foi um grande estrategista. Ou enxadrista, sei lá.

Primeiro, é preciso dizer que a estratégia deu errado. Ou do deu certo porque Hulk perdeu um pênalti.

Que tese de estratégia correta é essa, que se apoia no improvável erro de um grande jogador?

O entusiasmo de alguns palmeirenses se baseia na série de 14 jogos sem derrota como visitantes na Libertadores.

E em frases como "o Galo vai ter que sair e fica mais fácil pra gente" ou "a presença de torcida vai forçar o Galo atacar"

Ora, série de jogos sem derrota sempre termina. E em 14/8 o Galo venceu o Palmeiras por 2 x 0.

E eu não consigo entender como é bom ser atacado.

Quem disse que o Cuca vai atacar como doido, sem um bom posicionamento defensivo. Sem cuidados.

E torcida é ruim? Ah, tá.

O pensamento dos que defendem a estratégia de Abel é muito cartesiano, muito dentro da caixa, como se futebol fosse um enunciado matemático.

A gente garante um 0 x 0 em casa e depois a torcida deles manda o time pra cima e a gente mete um contra-ataque e traz a vaga.

Se os portugueses antigos tivessem um pensamento tão mesquinho como o de Abel, não teriam chegado ao Brasil em 1500.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Menon