PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Menon


Menon

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Elano usa treino em campo ruim para pavimentar caminho até a elite em 2025

Elano comanda treino da Ferroviária - Divulgação/Ferroviária S/A
Elano comanda treino da Ferroviária Imagem: Divulgação/Ferroviária S/A
Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

23/07/2021 04h00

Elano está na estrada. Viagens de seis horas de ônibus para Varginha e Patrocínio. Ou ônibus de Araraquara até Campinas, avião até Campo Grande e mais duas horas e meia até Rio Brilhante. A Série D é um aprendizado para o treinador da Ferroviária, que tem uma meta fixada na vida esportiva. "Em três anos e meio, estarei dirigindo um time da Série A".

A rotina de viagens não assusta quem jogou Libertadores pelo Santos, com viagens pelo interior de Colômbia e Peru, e nem melindra quem esteve na Liga dos Campeões com o Shakhtar. O Elano de hoje, tem mais a ver com o Elano lá de trás, garoto de 16 anos profissionalizado pela Inter de Limeira.

Nada é novidade. Nem os campos ruins de alguns estádios, que levam a mudanças de estratégia e de tática. "Antes de jogar contra Patrocinense e Águia Negra, nos treinamos em campo ruim, para uma boa adaptação. É outro jogo, fora de casa. qui, não. O campo é ótimo, a bola rola mais e os passes são melhores.".

Tem dado certo. A Ferroviária lidera o Grupo 6, com 16 pontos em sete jogos, ao fim do primeiro turno. Tem cinco vitórias, um empate e uma derrota. Marcou 13 vezes e sofreu apenas três, na estreia em casa contra o Uberlândia. Tem sete pontos a mais que o Rio Branco, quinto colocado. Os quatro primeiros se classificam.

Elano Ferroviária - Divulgação/Ferroviária S/A - Divulgação/Ferroviária S/A
Imagem: Divulgação/Ferroviária S/A

No bagunçado futebol brasileiro, projeto é palavra mágica. Atrai treinadores para um porto seguro, ao contrário do canto das sereias de antigamente.

Elano tem contrato até o final do Paulista do próximo ano. O vínculo com a Ferroviária foi antecipado. A ideia era assumir após o final do Paulistão, mas Pintado, o antigo treinador, aceitou convite do Goiás e ele assumiu.

Com um olho no peixe e outro no gato. Enquanto dirigia o time no Paulista, buscava jogadores para a Série D. "Com o orçamento caindo de R$ 700 para R$ 300 mil por mês, tudo muda. Amigos indicaram jogadores, olhei para a base e montamos um time novo, com quatro remanescentes e só o Saulo, goleiro, como titular".

A Ferroviária é o terceiro time de Elano, além de algumas partidas como interino no Santos. Antes, esteve na Inter de Limeira - faltaram dois pontos para a classificação no Paulista - e uma passagem ruim no Figueirense, que terminou com demissão. "A situação do clube estava ruim, mas aprendi por lá também. Sempre estou aprendendo algo. A caminhada é longa".

Três anos e meio, como ele já disse. E os ensinamentos chegam de todos os lados. De Guardiola, por exemplo. "Como o senhor faz para melhorar os seus atletas", perguntou Elano. É uma fixação dele. Pergunta o que o jogador não gosta de fazer, quais são as duas dificuldades e começa o trabalho de polimento.

E o que Guardiola respondeu?

"É preciso desenvolver as individualidades para se conseguir harmonização coletiva e sincronia de jogo".

É o caminho escolhido por Elano, que tem outras referências. "Klopp tem claro que se joga com a bola, mas que é preciso ter setores bem organizados. O Muricy sempre teve os setores de campo bem ocupados. Como a seleção de 94"

E uma determina clara. "Todos têm liberdade para criar. É preciso ousadia".

O que Elano não aceita é time lento. "Não dá. Hoje, não dá. É preciso ter força e velocidade para que a técnica apareça. E tem jogador veloz que prefere o drible. Outros, preferem o passe. É preciso ver o que cada um pode dar. Futebol tem a ver com nado sincronizado. Cada jogador precisa complementar os companheiros para uma boa sincronia".

A mesma sincronia que o treinador precisa ter fora de campo, com diretoria, departamento médico, fisiologia, jogadores, parte nutricional. "O lado gestor é fundamental".

Em busca disso, ele tem imersão total na Ferroviária. Chega ao clube às 7 da manhã e sai às 20. Interage com jogadores, claro, com os treinadores das equipes de base e com o time feminino, campeão da Libertadores da América.

A busca por excelência não para por aí. Ele está terminando os cursos da CBF, tem contato constante com o amigo Roger, treinador do Fluminense. Muita troca de ideias. "Quando terminar o campeonato, vou rodar pelo Brasil e conversar com muitos treinadores".

E a família?

Como a Serie D tem jogos apenas nos finais de semana, as folgas são para matar a saudade da mulher e três filhas. Jogos de tênis são constantes.

E pelada?

"Não jogo mais. É muito ruim pensar em uma jogada e não conseguir fazer. Quando o corpo não consegue fazer o que a cabeça pede, é muito triste_.

Sente saudades?

Não. Hoje, o que me dá prazer é estar do lado de fora, ensinando os jovens. Ver a melhora deles como jogadores e também como homens. Eu amo esse trabalho".

A estrada está sendo semeada. O caminho, se tudo der certo, levará Elano à Série A em 2025. Logo ali.

Menon