PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Menon


Menon

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Boulos: "Copa América vai ser um grande tiro no pé de Bolsonaro"

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

11/06/2021 04h00Atualizada em 11/06/2021 13h38

Guilherme Boulos, provável candidato do PSOL ao governo de São Paulo em 2022, tem duas certezas: 1) Bolsonaro tentou, com a Copa América, tirar o foco da pandemia. 2) Não vai conseguir.

"Durante a competição, talvez em algum jogo, chegaremos a 500 mil mortos pela covid. E até o torcedor menos politizado, que não está interessado em esquerda ou direita vai perceber que a Copa América no Brasil é um escárnio, um acinte", afirmou.

Para ele, ficará claro que a realização da Copa América é um perigo. "Estamos próximos de uma terceira onda e quantas pessoas de outros países chegarão ao Brasil, trazendo novas cepas? Não só dá América do Sul, temos jogadores que atuam na Europa. É um grande perigo".

A Copa América, diz Boulos, estará na pauta das reivindicações dos movimentos sociais como Frente Brasil Popular e Frente Povo Sem Medo. "Teremos uma grande manifestação dia 16 de junho, com todos os cuidados como distribuição de álcool em gel e máscaras PFF2 e a Copa América será um tema. O Bolsonaro colocou mais lenha na fogueira"

Não existe comparação com o que se viu em 2014. "Muitas famílias foram desalojadas por causa das obras dos estádios. Protestamos muito, mas agora é muito pior. Estamos trazendo vírus para o Brasil durante a maior crise sanitária de nossa geração".

Boulos vê a seleção brasileira cada vez mais longe do povo. "E perderam a chance de uma aproximação quando fizeram esse manifesto que não falava nada sobre a pandemia. A amarelinha já era ligada ao golpe contra a Dilma, já foi sequestrada pelo Bolsonaro e agora teve essa alienação toda. Muito triste".

Futebolisticamente falando, deixando as questões sociais de lado - se é possível - Boulos tem outras prioridades. "Cara, o meu Corinthians tá ruim demais. Vai ser uma luta pra ficar na Série A.

Menon