PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Menon


Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Diniz continua com a cabeça na Lua

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

10/05/2021 14h24Atualizada em 10/05/2021 22h21

Fernando Diniz chegou ao Santos e foi poupado, na entrevista coletiva, de uma pergunta crucial e suas variações: por que não dirigiu o time contra o São Bento? Não teria nada a contribuir? Teve medo? Seus conhecimentos de psicologia não poderiam ter sido úteis?

Assim, com o caminho aberto e sem questionamentos, falou duas besteiras:

1) Se não tivesse sido demitido, talvez fosse campeão - Ora, o time havia sido goleado por Bragantino e Inter e perdido para o Santos e o Atlético-GO, além de empates contra Coritiba e Furacão.

A debacle era evidente. E quais mudanças ele fez no aspecto tático? E qual mudança técnica? Lançou algum novo jogo? Tentou um novo esquema? Um novo estilo? Melhorou animicamente os jogadores? Deu segurança à defesa?

Não fez nada. E seria campeão como? Invocando os poderes de Votorati? Ou Audax? Abracadabra?

2) Disse que se entregassem a um jornalista um jogo sem os gols e sem que se soubesse o resultado, a análise seria diferente.

Ele diz que as análises são baseadas em resultado. Como se fosse um erro.

Futebol é um jogo. É preciso vencer. Dentro das regras esportivas e civilizatória, é lógico. Diniz reduz a importância da vitória, que é a razão de tudo.

Em vez de dizer que jornalista só analisa o resultado, ele precisa entregar resultados. Precisa vencer. Com suas ideias, com seus métodos ou até renegando ideias e métodos.

Precisa sair do mundo da Lua e ganhar. Ganhar. Nada mais. O resto é quixotismo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Menon