PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Menon


Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Corinthians joga bem, mas não tem time

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

19/04/2021 12h41Atualizada em 19/04/2021 12h41

O Corinthians, com formação reserva, fez sua melhor partida no ano ao derrotar o Ituano por 2 x 0. Cumpriram sua tarefa, enquanto os titulares descansavam para estrear na Sul-americana, contra o River Plate do Paraguai.

Qual o grande erro do parágrafo acima?

É dizer que o time reserva jogou contra o Ituano. E que os titulares descansaram.

O Corinthians atual não tem um time titular definido. É impossível recitar o nome dos onze que entrarão em campo a cada jogo.

Rodrigo Varanda, Cauê e Vitinho são titulares? Gabriel? Cantillo ou Camacho? Mosquito ou Natel?

Há poucas certezas. Vital, uma delas, está contundido. Gil está abaixo do que sabe.

Mancini ao saber que Casares, Otero e Jemerson iriam sair antes do Brasileiro e que não haveria reposição, começou a experimentar garotos da base. João Victor e Raul responderam bem. Xavier também, apesar da bobeada contra a Ferroviária. Os outros, nem tanto.

Com tantos problemas, não há um time definido. O São Paulo de Crespo escalou reservas contra o Guarani e titulares contra o Palmeiras. Todos os torcedores sabem qual será o time contra o Sporting Cristal. O corintiano, não.

Mancinj precisa resolver a escalação rapidamente. O Brasileiro começa em um mês. E antes, já há uns viagem para Assunção e o sorteio da Copa do Brasil.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Menon