PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Menon


Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Lição de Nenê e frescura do mimado Marinho

Nenê em ação pelo Fluminense em jogo contra o Volta Redonda pelo Carioca 2021 - Thiago Ribeiro/AGIF
Nenê em ação pelo Fluminense em jogo contra o Volta Redonda pelo Carioca 2021 Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

14/04/2021 17h48Atualizada em 14/04/2021 18h06

As declarações de Nenê lavaram minha alma. Ele falou sobre o projeto fura-fila da CONMEBOL, querendo vacinar jogadores inscritos para Sul-Americana, Libertadores e Copa América.

Nenê foi claro. Disse que há prioridade antes dos jogadores e que não deve haver diferença entre ricos e pobres na questão da vacina. E que a saúde deve vir antes do trabalho. Está desconfortável com a medida tomada pela CONMEBOL.

Tão cristalino! Até um nenê sabe.

Nenê dá aula de empatia. Mostra ser um cidadão preocupado com outras pessoas.

E Marinho?

Foi substituído por Ariel Holan e recusou o cumprimento do treinador. Um péssimo exemplo para quem estava vendo o jogo contra o San Lorenzo.

O mimado não era o Nenê.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Menon