PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Menon


Menon

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Rogério despreza são-paulinos que o veneraram por 20 anos

Rogério Ceni em ação pelo Flamengo - GettyImages
Rogério Ceni em ação pelo Flamengo Imagem: GettyImages
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

22/02/2021 12h18Atualizada em 22/02/2021 12h29

Rogério Ceni conseguiu em sua vida esportiva de jogador -com todos os méritos e merecendo todos os aplausos - algo que poucos jogadores conseguiram: idolatria, adoração, veneração...

Pense em outros jogadores que teriam acumulado tanto amor, pois é de amor que se trata. Zico, Marcos, Basílio... Poucos.

Rogério não está cuidando de tanto capital afetivo. Ao contrário, o está delapidando. Sua última entrevista foi exemplar da forma como trata o torcedor cenista.

Na ânsia de ser aceito pelo torcedor rubro-negro - mesmo se for campeão, pode ser demitido - ele faz enormes elogios ao clube. E à torcida

Normal, com um detalhe. Enorme detalhe. Faz comparação entre as torcidas. E despreza a do São Paulo. Para se aproximar de quem não o ama, se afasta daqueles que o veneram.

É a tática Marta Suplicy. Sai da esquerda e bajula a direita. O resultado é não ser aceita por nenhum dos lados.

Ceni nunca assimilou a maneira grotesca como foi demitido por Leco. E se vinga no torcedor que ficou sempre ao seu lado.

Para deixar claro: Ceni é profissional, tem direito de seguir a vida e trabalhar onde quiser ou achar melhor.

Pode também fazer o que tem feito, usando o nome do São Paulo para se dar bem no Flamengo.

E eu tenho o direito de achar besteira jogar no lixo o amor de milhões.

Menon