PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Menon


Menon

Leco tem o poder até a rodada 27. E resolveu deixar tudo como está

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

04/08/2020 04h00

O novo presidente do São Paulo assume em janeiro. No dia 27 de de dezembro, recebe o Fluminense, pela rodada 27. E no dia 3 de janeiro, visita o Bragantino. O campeonato terminará no dia 24 de fevereiro, recebendo o Flamengo.

Ou seja, o novo presidente assumirá com poder zero ou quase zero de interferir no desempenho do clube no Brasileirão. O sucesso não será mérito seu e nem o fracasso ficará na sua conta.

O novo presidente terá importância apenas em um caso: o time está muito mal, ele assume, dá um cavalo de pau e muda tudo.

Leco tem o poder de planificar o clube até além de sua presença à frente do clube. É muita coisa. E ele optou por não mudar.

E não mudar após a maior vergonha histórica tem um peso importante. Pode ser moderno e revolucionário apostar em um técnico incendiado por muitos mas que não tem resultados a apresentar. E nem desempenho no pós paralisação pela pandemia.

Pode ser uma atitude a ser corrigida rapidamente. Afinal, se o time mantiver resultados péssimos em duas semanas de competição, já estará na sexta rodada, enfrentando o Corinthians.

O que Leco deveria fazer?

Depende do que ele espera do time.

Se for um sexto lugar, que mantenha Fernando Diniz. É o que se pode esperar. Talvez um pouco mais. Título é uma quimera.

Se quiser sonhar alto, a hora já passou. Um novo treinador assumiria agora, com uma semana de trabalho, com ideias novas a serem implantadas. Arriscar e ser ambicioso.

Leco preferiu deixar tudo como está. Nada garante que será assim até o final do ano.

Menon