PUBLICIDADE
Topo

Arthur desrespeita o Barcelona e o Brasil

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

02/08/2020 04h00

Barcelona e a Juventus negociaram a troca de Arthur por Pjanic. Tudo certo, com os jogadores defendendo seu clube atual até o final da Liga dos Campeões.

Arthur não aceitou o combinado. Depois de miniférias no Brasil, mandou avisar que não voltará ao Barcelona. Profissionalismo zero.

O treinador Quique Santién lembrou que Arthur se recusou a enfrentar o Osasuna por causa de um desconforto no tornozelo.

A passagem de Arthur pelo Barça foi um engodo. Contratado como o novo Xavi, nunca esteve à altura da apressada comparação.

Nunca foi constante, poucas vezes foi brilhante, teve muitas contusões e um comportamento de celebridade, sempre na noite.

Chegou como astro, viveu como rei do camarote e sai como alguém sem palavra.

Uma vergonha para o futebol brasileiro. Mais um, como Edmundo, Sócrates e outros que não souberam representar sua história gloriosa.

Menon