PUBLICIDADE
Topo

Só Mallu Ohana explica saída de Dudu

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

09/07/2020 19h43

O Palmeiras perde seu melhor jogador dos últimos cinco anos, referência do time, artilheiro e ídolo. Não dá para entender.

Perde por pouco dinheiro. Sete milhões de euros agora e mais seis milhões daqui a um ano. Antes de se discutir se é pouco ou muito, pergunto se o Palmeiras precisa desse dinheiro.

Não precisa. O Palmeiras é um dos poucos times brasileiros em condições financeiras de não abrir mão de jogadores importantes.

O Palmeiras pode fazer o que é um pesadelo para os outros: ficar com o jogador até o final do contrato, usufruir de sua técnica e depois ficar sem receber nada.

E Dudu?

Ganha muito no Palmeiras. Vai se enfiar no Catar, onde não há nenhum desafio esportivo.

Nada explica, se pensarmos apenas em futebol.

Parece uma fuga. E as explicações podem estar no constante litígio com Mallu Ohana, ex-esposa. Ela apresentou vídeos pouco conclusivos para comprovar agressões. A relação é conturbada e há histórico de agressão. Foi em 2013. Dudu foi preso, pagou fiança e foi condenado a prestar serviços comunitários.

A paz pode estar no Catar. Ou no próximo clube brasileiro daqui a um tempo.

Menon