PUBLICIDADE
Topo

Fluminense também desrespeita mortos da Covid

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

06/07/2020 12h05

Na vida, ninguém ou nada é totalmente certo ou errado. Bem, aí estão Felipe Dylon e Jair Bolsonaro para me desmentir, mas a tese ainda é válida.

Fluminense e Botafogo tiveram uma postura ótima durante a pandemia. Recusaram a volta açodada e demonstraram preocupação com a possibilidade de o futebol ser o indutor da morte e não da paixão.

E, agora, o Fluminense joga por terra a aura de clube comprometido com a saúde pública.

Escolheu jogar a decisão no Maracanã. Ao lado do hospital de campanha. Como o Flamengo.

A diferença entre eles se reduz a quem tem muito dinheiro e a quem tem muitas dívidas.

Menon