PUBLICIDADE
Topo

Abel não merece as ofensas de diretor do Flamengo. Ninguém merece

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

28/06/2020 10h51

"Houve um momento que a gente achava e discutia internamente que ele estava de sacanagem. A gente ouvia ele dando entrevista e falava tem alguma coisa que a gente não está entendendo.

Ou ele bebeu ou ele está drogado. Não é possível ele falar o que está falando. Falar que o Beira-Rio é lindo, mais bonito que o Maracanã, falar que perder para o Inter e Atlético é normal. (....)

A impressão que algum de nós teve é que ele estava forçando uma saída.

Sabe aquele jogador que está com um amarelo e quer da um migué pra ser expulso e sair mais cedo? (...) Ele tá querendo que a gente dê um pé, ele tá querendo brigar com a gente"

As frases acima foram ditas pelo diretor Luiz Eduardo Baptista, o Bap, do Flamengo ao canal Serflamengo. Ele se refere a Abel Braga, 67 anos.

Não, Luiz Eduardo Baptista não estava bêbado e nem drogado ao falar isso.

É caráter mesmo.

Menon