PUBLICIDADE
Topo

O jogo que mudou a vida do São Paulo e mostrou a grandeza de sua torcida

Serginho Chulapa quando jogava no São Paulo - Folhapress
Serginho Chulapa quando jogava no São Paulo Imagem: Folhapress
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

27/05/2020 11h44

O São Paulo tem muitos jogos icônicos: a estreia de Leônidas, a primeira Libertadores, o primeiro Brasileiro, o primeiro Mundial...

E o jogo em que, pela primeira vez, sua torcida mostrou que era gigante, capaz de lotar o Morumbi. Era uma piada dos anos 70: o Morumbi só lota em clássicos porque tem duas torcidas.

Até que chegou 26/2/78 e o São Paulo enfrentou o Operário de Mato Grosso do Sul (ainda não havia Mato Grosso do Sul), pela semifinal do Brasileiro de 1977. O São Paulo ganhou por 3 x 0, com dois gols de Serginho e um de Neca. Jogo duro. O primeiro gol saiu apenas aos 31 minutos do segundo tempo

Mas a grande vitória foi o público de 103.092 pagantes. Pela primeira vez, a torcida do São Paulo lotava, sozinha, o seu estádio.

Primeira vez?

Bem, na inauguração do Morumbi, em 02/10/60, havia 107.869 pagantes, mas era uma festa e com certeza o público contou com torcedores de outros times. O adversário era o Sporting.

O jogo contra o Operário foi um marco. Mostrou a grandeza dos dirigentes daquela época. Visionários, que construíram um estádio "maior" que sua torcida. E viram a torcida crescer também por ter um estádio maior que ela.

E naquele 26 de fevereiro, houve a inflexão. A torcida mostrou sua grandeza, mostrou ser capaz de lotar mais que um Morumbi. E viu a vitória de Waldir Peres, Getúlio, Estevam, Bezerra e Antenor, Chicão, Teodoro, Dario Pereira (Neca), Mirandinha (Zequinha), Serginho e Zé Sérgio.

E, na grandeza de sua torcida, o São Paulo ficou ainda mais gigante. Um mês depois, seria campeão brasileiro pela primeira vez.

PS - A ideia do post veio do Engenheiro Moacyr, que talvez se espante com o tom emocional.

Errata: o texto foi atualizado
Ao contrário do informado anteriormente, a inauguração do Morumbi ocorreu em 2 de outubro de 1960. O erro foi corrigido.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Menon