PUBLICIDADE
Topo

Campelo e Landim, unidos pela Morte

Presidentes de Vasco (Alexandre Campello) e Flamengo (Rodolfo Landim) com o presidente Jair Bolsonaro e um de seus filhos, o senador Flávio Bolsonaro - Reprodução/Instagram Flávio Bolsonaro
Presidentes de Vasco (Alexandre Campello) e Flamengo (Rodolfo Landim) com o presidente Jair Bolsonaro e um de seus filhos, o senador Flávio Bolsonaro Imagem: Reprodução/Instagram Flávio Bolsonaro
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

20/05/2020 04h00

Vasco e Flamengo são como água e vinho. Não se misturam. Eu prá cá e você pra lá. O que os une, além de serem representantes da paixão popular é o preto na camisa. No Vasco, junto com o branco. No Flamengo, com o vermelho.

E, em 19 de maio de 2020, as cores tomaram significado extra: o branco de susto, o vermelho de vergonha e o preto de luto.

Alexandre Campello, presidente do Vasco, e Rodolfo Landim, do Flamengo foram a Brasília e se reuniram com o presidente Bolsonaro.

Um direito deles. Por mim, podem se reunir com Ciro, Lula, Flávio Dino ou o Cacique Raoni. É direito deles.

O problema é o motivo da reunião. Foram pedir a volta do campeonato carioca. O mundo cancela a Olimpíada e eles querem enfrentar o Bangu.

E em que circunstâncias? Quando o Brasil caminha para o desconhecido. Exatamente no mesmo dia em que são computadas 1179 mortes pelo coronavírus. Quando a marca de 20 mil mortes será alcançada em um dia. Quando morre um brasileiro a cada 73 segundos.

É muita irresponsabilidade. Querem transformar o Maracanã em um grande caixão?

Aliás, a visita foi marcada pela adesão à irresponsabilidade. O médico Márcio Tannure não usou máscara. Que exemplo! Ninguém usou máscara. Ninguém manteve distância social.

Será que o Flamengo está com pressa de jogar para fazer acordo com as vítimas do Ninho do Urubu? Será que o Vasco tem pressa de jogar para pagar salários atrasados.

Lógico que não.

Landim e Campello foram em Brasília para fazer marketing da Morte.

Menon