PUBLICIDADE
Topo

Raí é um dos cinco grandes do São Paulo. Zubizarreta nem saiu na foto

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

15/05/2020 15h59

Falta.

Toque curto com o pé direito para Cafu.

Cafu devolve, também de direita.

E a bola, submissa, foi para o canto direito.

Zubizarreta não saiu na foto. Ficou cravado no chão, como uma sequoia.

Então, a corrida, o sorriso de Telê e o desespero de Koeman.

São Paulo Paulo campeão do mundo. E Raí, aniversariante de hoje, entrou na história do clube. Um dos cinco maiores.

Ele, por ser o símbolo do time que colocou o clube em um patamar diferente.

Como Leônidas, que chegou nos anos 40, para fazer a moeda cair em pé.

Rogério Ceni, por todos os recordes que acumulou na carreira.

Pedro Rocha, por ser a soma de Raí com Kaká.

E Roberto Dias Branco, a esperança e a dignidade nos tempos de jejum.

Qual seria sua lista?

Menon