PUBLICIDADE
Topo

Corinthians foi tomado pela incompetência

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

10/05/2020 04h00

A dívida do Corinthians é monstruosa. E algumas coisas chamam a atenção.

1) Os empréstimos feitos por empresários como Bertolucci e Carlos Leite.

Meu cunhado, o Canal, sempre diz que não entende como o pedágio é privatizado. Ora, se uma empresa privada consegue ter lucro, por que o Estado, não. Por que abre mão de um bom negócio? Ora, como um empresário pode ser mais rico que um clube?

2) Jogadores da base são fatiados - O São Paulo, que também está na pindaíba, sempre pode recorrer à autofagia e vender garotos talentosos que nem estrearam ainda. O Corinthians não pode. Os jogadores pertncem a empresários.

3) Meu amigo, o engenheiro Pinduca, diz que o item 1 está ligado ao 2 e, que lá no Ipiranga, onde nasceu, isso aí não chama incompetência, não. Tem outro nome. Insisti e ele não disse nada.

4) A falta de naming right - O Itaquerão foi inaugurado em 2014. Há seis anos. E o clube não conseguiu vincular seu estádio a uma empresa? Não consegue ter um patrocinador forte? Seria mais fácil que vender Coca Cola no Saara.

Até quando os gigantes brasileiros serão dirigidos por anões?

Menon