PUBLICIDADE
Topo

Defendo um Paulistão extra em 2020

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

28/03/2020 04h06

Sábado sem futebol. Domingo sem futebol. Para nós, um tédio. Para milhares de jogadores de futebol sem fama, é muito pior. Angústia, incerteza, fome dos filhos. A gripezinha mata.

Jogadores milionários são poucos. Uma parcela ínfima. Trabalho da Pluri Consultoria do ano passado aponta que 82% dos profissionais ganham até mil reais. E outros 13% faturam de mil até 5 mil. Os contratos, em sua maioria, são de seis meses. O cara está em um time e já precisa pensar no próximo ganha-pão.

A dor da gente não sai no jornal.

É neste tipo de trabalhador que é preciso pensar em calendário. Principalmente agora, em tempos de gripezinha. Sugerir a simples eliminação do Paulista-20 para uma acomodação do calendário é, muito mal comparando, endossar o que o dono do Madero, amigo do Luciano Huck, falou. Vamos eliminar o elo mais fraco.

Vou falar apenas do Paulistão, o mais forte estadual. Tem cinco clubes de série A e quatro da B. E a Ferroviária demitiu Sérgio Soares, um profissional correto. E o Água Santa liberou Pintado para o Juventude.

O que eu proponho?

O apressamento do campeonato e,Igor em seguida, uma nova edição.

Vamos por partes.

O apressamento teria o fim da primeira fase, como fez o NBB. Início imediato das quartas, com um jogo só. Semi e final, também com um jogo só. Em três datas (uma semana) estaria definido o campeão

Nova edição - Seria por pontos corridos, em dois turnos, sem os grandes. Ao final, um super campeonato, com o campeão enfrentando o clube paulista mais bem colocado no Brasileirão.

Ah, mas já tem a Copa Paulista...

Nada a ver. Esse Paulistão extra teria um apeli maior. Poderia ser colocado em alguma televisão. Se não houver interesse financeiro, colocado de graça para que houvesse exposição de patrocinadores. Dos clubes e do campeonato.

E, se a Federação Paulista não conseguir fazer nada assim, que banque sozinha. Tem dinheiro de sobra, não tem?

É hora de pensar naqueles que não lotam estádios, mas que precisam lotar a mesa de suas famílias. E a mochila dos filhos.

Menon