PUBLICIDADE
Topo

Menon


Entendo, mas lamento ver JJ ao lado de JB

Jorge Jesus com Jair Bolsonaro e Paulo Guedes em Brasília - Divulgação/Presidência da República
Jorge Jesus com Jair Bolsonaro e Paulo Guedes em Brasília Imagem: Divulgação/Presidência da República
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

18/02/2020 16h04

Jorge Jesus é o estrangeiro mais amado do Brasil. Talvez, de todos os tempos. O mais importante. Um dos, com certeza, quando lembramos de Elisabeth Bishop.

Ele é a nossa Carmem Miranda do terceiro milênio. Nascida em Portugal e amada por todos os brasileiros.

Como o samba une e o futebol desune, Jorge Jesus é amado "apenas" pelos milhões de rubro-negros. E respeitado por milhões de outros, agradecidos pelo que está fazendo no futebol brasileiro.

E pode haver honraria maior para um estrangeiro do que ser recebido pelo presidente do país que o recebe?

Eu vou ser ombudsman de sentimento alheio? E, mesmo se não quisesse ir, seria difícil negar, diante de uma diretoria que adora a aproximação com o presidente.

Tostão aceitou visitar o ditador Médici, após o Brasil ganhar o tricampeonato, em 1970.

Então se Tostão visitou um ditador, por que JJ não pode visitar alguém que tem alma e cérebro (?) de ditador e foi eleito democraticamente?

Poder, pode.

Eu só lamento que, ao fazer isto, ele ajude a normalizar um presidente que não respeita a liturgia do caso e faz ofensa sexual contra uma mulher. Jornalista? Ótima jornalista? Premiada jornalista? Não interessa. Mulher.

O encontro teve uma terceira pessoa. O ministro que ofende funcionários públicos ("parasitas") e empregadas domésticas.

Essas duas tristes figuras têm muito mais a ganhar com esse encontro do que Jorge Jesus. Eles dois são os parasitas, no caso.

Fica a torcida para que o rubronegro miserável e cada vez mais desamparado e atacado pela política econômica, não se iluda ao ver seu amado Mister abraçado com quem faz de tudo para tornar sua vida ainda pior.

Menon