PUBLICIDADE
Topo

Pato não merece a cruz

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

05/02/2020 11h24

Alexandre Pato é a Geni do futebol brasileiro. Tudo é culpa dele. A falta de gols, as contusões, o coronavírus, afinal ele estava na China.

As críticas a Pato têm muito a ver com um erro de análise. Todos esperavam que o garoto de 17 anos que foi para o Milan fosse um novo gênio. Um Ronaldo ou um Kaká? Dúvida cruel.

As contusões impediram. Na verdade, não só elas. O modo deslumbrado de ver o mundo também.

Mas, não há como buscar tantas justificativas. Pato, simplesmente, era menos do que se esperava?

E ele merece ser julgado a partir de falsas expectativas que nunca avalisou? Pato disse que seria o melhor do mundo? Disse que ganharia a Copa?

Como culpar Pato pela falta de gols -menos de um por jogo - de ele praticamente não jogou.

Como culpar Pato pela contusão, se ele foi apenas mais um entre muitos.

Pato merece a seleção? Absolutamente, não.

Pato merece o que ganha? É uma questão de mercado, mas o clube não deveria se arriscar.

Pato deveria ser contratado? Não, o clube tem muitas dívidas.

Pato merece ser titular? Precisa brigar.

Pato pode ajudar o São Paulo? Sim, sim, sem dúvida. É o jogador mais técnico do elenco. Bom finalizador.

Isto é o que se espera dele. Vai cumprir? Esperemos.

Menon