PUBLICIDADE
Topo

Menon


Neymar, o Menino-Rei, está voltando

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

30/01/2020 04h01

Todo menino é um rei, cantava - e como cantava- o grande Roberto Ribeiro. Todo rei precisa ter muito de menino. Falo de futebol, é claro. Talvez valha para outros reis e governantes.

Além (ou apesar) de todas as táticas e recomendações, de toda a preparação física e psicológica, o jogador precisa carregar consigo o lado lúdico do futebol. Deve jogar profissionalmente com a mesma energia e alegria com que chutou a primeira bola, com que deu o primeiro drible.

Neymar está assim. Em entrevista ao Daily Mail disse que ama o futebol e que está se sentindo feliz em campo.

Como um menino-rei, eu diria.

Neymar sempre foi solução. Desde que, com 13 anos, participou de um jogo entre amigos de Barrichello x amigos de Schumacher. É o tipo de jogador que todo mundo parava para ver.

Quando Neymar não foi solução? Quando perde a alegria, na Copa América em que foi expulso contra a Colômbia. Não estava sabendo lidar com os problemas com o fisco.

Quando mais? Quando trocou a alegria pela malandragem. Em vez do drible, optou pela queda. Deixou de ser um menino alegre para ser um bobo da corte. O futebol deixou de ser algo lúdico para ser malandragem misturada com esperteza. Não levantou estádio, apenas caiu na grama.

Neymar disse também que não pensa em ser o número 1, apenas em jogar bola e ganhar a Liga dos Campeões.

Importantíssimo. Corretíssimo. O caminho para ser o melhor é não se pautar para ser o melhor. É jogar e desfrutar. Como um menino.

O que não pode é ser menino fora de campo. Brigar com torcedor, discutir com companheiro, ser desleal em campo.

Neymar precisa disso. Ser menino em campo e profissional fora dele. Sair da barra da saia do papai e respeitar o clube. Se fizer isso, estará mais perto de recuperar seu espaço.

Se não for o número 1, que seja o número 10. Contanto que leve alegria a todos que amam futebol.

Menon