PUBLICIDADE
Topo

Mauro Cezar Pereira

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Vexame do São Paulo põe Ceni e cartolas na dividida: quem assume a bronca?

Rogério Ceni no jogo de segunda-feira - Flickr/São Paulo
Rogério Ceni no jogo de segunda-feira Imagem: Flickr/São Paulo
só para assinantes
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

21/06/2022 10h07

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido

O vexame do São Paulo na noite de segunda-feira, quando permitiu ao Palmeiras virar o jogo nos acréscimos, deve ter consequências. Não só pela noite profundamente decepcionante para o torcedor, como pelo combo de fracassos contra este rival (como esquecer os 4 a 0 da final paulista?).

A entrevista coletiva de Rogério Ceni após o clássico foi mais um sinal. Perguntado sobre que time colocar em campo em novo duelo com os palmeirenses, quinta-feira, pela Copa do Brasil, o técnico jogou a decisão para a diretoria. É uma postura um pouco diferente da que adotara até então.

O treinador vinha assumindo protagonismo nas decisões, tomando a frente em diferentes momentos. Desta vez parecia decidido a pelo menos dividir a responsabilidade com os cartolas. O ponto é: que time escalar, já que os atletas não suportarão a sequência de partidas por três competições?

Pelas palavras de Ceni ele parece mais inclinado a priorizar o campeonato brasileiro, no qual um tropeço permite recuperação. Mas é a Copa do Brasil que, ao menos em tese, oferece maiores chances de título, além de proporcionar polpuda premiação, fundamental para um clube tão endividado.

A questão é, mesmo com titulares esse São Paulo é capaz de encarar o Palmeiras? Depois do papelão que os são-paulinos fizeram diante de sua torcida, é difícil de acreditar. Independentemente da escalação que Ceni levar a campo, a partir de uma decisão institucional. Se é que ela virá.

Siga Mauro Cezar no Twitter

Siga Mauro Cezar no Instagram

Siga Mauro Cezar no Facebook

Inscreva-se no Canal Mauro Cezar no YouTube