PUBLICIDADE
Topo

Mauro Cezar Pereira

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Histórico matemático da Série B mantém o Vasco na segunda divisão em 2022

Cano, do Vasco, e Bruno Silva, do Avaí, disputam a bola em jogo na Ressacada, na Série B do Brasileiro - R.Pierre/AGIF
Cano, do Vasco, e Bruno Silva, do Avaí, disputam a bola em jogo na Ressacada, na Série B do Brasileiro Imagem: R.Pierre/AGIF
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

07/09/2021 10h06

O Vasco é o nono colocado do Campeonato Brasileiro da Série B, tem 32 pontos em 23 jogos, 46,4% de aproveitamento, critério por meio do qual permanece nesta posição. São dez pontos de desvantagem, para o líder da segunda divisão, o Coritiba, e seis atrás do quarto colocado, Goiás, que seria, hoje, o último dos quatro a subir para a Série A em 2022.

Contudo, o time carioca já fez duas partidas a mais do que a equipe goiana e tem uma a mais do que seis dos outros sete que permanecem à sua frente na tabela de classificação. A derrota (3 a 1) da noite de segunda-feira para o Avaí foi a quarta nos seis últimos jogos, com um empate e uma vitória, ou seja, quatro pontos em 18 disputados, apenas 22% de aproveitamento no período.

O momento é delicado. Se observarmos edições anteriores da Série B, veremos que em 2020 o CRB tinha a mesma pontuação que os vascaínos apresentam hoje, mas com 22 partidas. Não subiu, como o Cuiabá em 2019, o Vila Nova em 2018, o Boa Esporte (com 31 pontos) em 2017 e 2013, o Criciúma em 2016 e 2015, o Santa Cruz (33), o América de Natal em 2012 (33).

Era nono colocado o Paraná em 2011 (tinha 31 pontos), como a Portuguesa em 2010 (31) e a Ponte Preta em 2009, ano da primeira participação do Vasco na segunda divisão. O time liderava com 43 pontos nessa altura e em primeiro permaneceu até o fim do campeonato. Um cenário bem diferente do atual, mais do que preocupante, devido ao fraco futebol do time carioca e pelo, digamos, histórico matemático da Série B.

Siga Mauro Cezar no Twitter

Siga Mauro Cezar no Instagram

Siga Mauro Cezar no Facebook

Inscreva-se no Canal Mauro Cezar no YouTube