PUBLICIDADE
Topo

Mauro Cezar Pereira

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

ABC x Flamengo era quase amistoso, mesmo assim o VAR erra e até enguiça

Bandeira deu impedimento de Michael, mas o VAR não funcionou  - Reprodução TV
Bandeira deu impedimento de Michael, mas o VAR não funcionou Imagem: Reprodução TV
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

05/08/2021 23h21

Com os 6 a 0 aplicados pelo Flamengo sobre o ABC na semana passada, a partida de volta, nesta quinta-feira, em Natal, era quase um amistoso. Para voltar a vencer (1 a 0), os rubro-negros levaram a campo um time reserva e o técnico Renato Gaúcho Portaluppi sequer viajou ao nordeste.

Mesmo nesse cenário menos competitivo, a arbitragem (com vídeo) conseguiu errar. Aos 43 minutos de jogo, Vitinho bateu falta cruzando na área do time potiguar e Vinícius Leandro agarrou demoradamente a camisa de Léo Pereira.

Nitidamente o jogador do Flamengo não conseguiu cabecear bem por causa da infração cometida pelo zagueiro do ABC. Em campo, o árbitro Ramon Abatti Abel não percebeu. Fora dele, Alex dos Santos, no VAR, não o alertou.

Vinícius Leandro puxa a camisa de Léo Pereira - Reprodução TV - Reprodução TV
Vinícius Leandro puxa a camisa de Léo Pereira
Imagem: Reprodução TV

Será que o clima de disputa (por vaga) decidida deixou o homem do vídeo com preguiça? Por que ele não se manifestou? Qual o critério afinal? Como entender o VAR brasileiro?

Perguntas sem respostas minimamente razoáveis. Como a omissão do árbitro de vídeo, que não socorreu o de campo, nada mudou na disputa pela classificação na Copa do Brasil, o lance fica um tanto esquecido. E no contexto nem mereceria maior debate, claro.

Mas se o VAR age assim quando há pouco em jogo, como confiar na conduta acertada em outro cenário? Para piorar, Michael marcou um gol logo no início do segundo tempo. O bandeira da equipe (da Federação Catarinense de Futebol) Éder Alexandre marcou impedimento.

Lance duvidoso e prevaleceu a marcação de campo, afinal, o equipamento da arbitragem de vídeo não funcionou! Bizarro.

Siga Mauro Cezar no Twitter

Siga Mauro Cezar no Instagram

Siga Mauro Cezar no Facebook

Inscreva-se no Canal Mauro Cezar no YouTube

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL