PUBLICIDADE
Topo

Mauro Cezar Pereira

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

De Gérson para Pelé e Kross a Vinícius Júnior, a magia do lançamento longo

Vinicius Junior comemora seu primeiro gol pelo Real Madrid contra o Liverpool  - Diego Souto/Quality Sport Images/Getty Images
Vinicius Junior comemora seu primeiro gol pelo Real Madrid contra o Liverpool Imagem: Diego Souto/Quality Sport Images/Getty Images
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

06/04/2021 17h54

"Lançamento de Gérson". Atravessando gerações, a frase até hoje resume a excelência quando se fala em longas bolas alçadas por um meio-campista a enorme distância e que encontram os atacantes em condições mandá-la para as redes. Os passes compridos do Canhotinha de Ouro na Copa do Mundo de 1970 popularizaram a expressão.

Gérson era preciso demais nesse tipo de jogada. Quando engatilhava a perna esquerda, o companheiro lá na frente podia começar a correr, pois eram grandes as chances de a bola cair à sua frente, na medida. Foi assim que Pelé fez um belíssimo gol contra a Tchecoslováquia nos 4 a 1 da estreia brasileira naquele Mundial disputado no México.

O gol de Pelé com passe de Gérson em 1970 e o de Vinícius Júnior após lançamento de Kross em 2021 - Reprodução - Reprodução
O gol de Pelé com passe de Gérson em 1970 e o de Vinícius Júnior após lançamento de Kross em 2021
Imagem: Reprodução

Na vitória do Real Madrid sobre o Liverpool, na Espanha, pela Liga dos Campeões, Tony Kross voltou a reviver o camisa 8 canarinho nos dois gols marcados na primeira etapa. E no tento que abriu o placar, a combinação com Vinícius Júnior foi digna de Gérson e Pelé, o que obviamente não significa qualquer comparação entre os jogadores de hoje e de ontem.

Asensio ampliou, Salah reduziu a desvantagem do Liverpool, mas Vinícius Júnior marcaria mais um, o terceiro, em passe do ótimo Luka Modric, batendo de primeira no canto esquerdo de Alisson. O garoto da camisa 20, tão criticado pelos erros nas conclusões, viveu sua grande noite, à altura dos passes açucarados que recebe, e Gérson assinaria.

Siga Mauro Cezar no Twitter

Siga Mauro Cezar no Instagram

Siga Mauro Cezar no Facebook

Inscreva-se no Canal Mauro Cezar no YouTube

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL