PUBLICIDADE
Topo

Mauro Cezar Pereira

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Corinthians fechou Brasileirão em 1º: no ranking de salários na carteira

Cazares na última rodada, contra o Inter - Pedro H. Tesch/AGIF
Cazares na última rodada, contra o Inter Imagem: Pedro H. Tesch/AGIF
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

09/03/2021 04h00

Em 2019 e 2020 o blog publicou algumas vezes o ranking das folhas de pagamento em CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) dos 20 clubes da Série A e também da Segundona. Desta vez, temos o levantamento atualizado, feito pela BR Contracts, com quanto os clubes da primeira divisão nacional pagavam, na carteira, aos seus profissionais do futebol, quando encerrado o Campeonato Brasileiro, em 26 de fevereiro.

Importante lembrar que o direito de imagem pode ser até 40% da remuneração, ou seja, se um jogador ganha R$ 10 mil, pode embolsar cerca de R$ 4 mil por mês dessa maneira e outros R$ 6 mil como salários "na carteira" de trabalho. Além disso, alguns atletas recebem bônus e luvas, valores extraordinários, que não formam o salário mensal. De qualquer forma, impressiona a "liderança" do Corinthians em tal ranking, afinal, o time foi apenas 12º na classificação em pontos ganhos.

Chama a atenção, também, a ótima relação custo-benefício de Ceará (11º) e Atlético Goianiense (13º) no quesito. O mesmo vale para o Fluminense (5º), que chegou à fase de grupos da Libertadores com apenas a nona folha em CLT. Como contraponto, o Vasco (17º), rebaixado com a 11ª, além do Botafogo (20º), que caiu com a 14ª, torrando mais que o dobro dos atleticanos de Goiânia, que passaram, com sobras, na luta para não voltar à Série B. Confira!

Folhas de pagamento
Em CLT, "na carteira"*

1º Corinthians R$ 8,3
2º Flamengo R$ 7,9
3º Palmeiras R$ 6,4
4º Atlético-MG R$ 6,3
5º Internacional R$ 5,8
6º Grêmio R$ 4,9
7º São Paulo R$ 4,3
8º Santos R$ 3,6
9º Fluminense R$ 3,5
10º Bahia R$ 2,7
11º Vasco R$ 2,7
12º Athletico R$ 2,6
13º Red Bull Bragantino R$ 2,6
14º Botafogo R$ 2,5
15º Fortaleza R$ 1,8
16º Coritiba R$ 1,8
17º Ceará R$ 1,7
18º Sport R$ 1,7
19º Goiás R$ 1,2
20º Atlético-GO R$ 1,2

* em R$ milhões