PUBLICIDADE
Topo

Mauro Cezar Pereira

Elogios a Abel são justos. Criticas também foram. O inverso vale para Diniz

Abel Braga e Fernando Diniz: gangorra -
Abel Braga e Fernando Diniz: gangorra
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

21/01/2021 04h00

Há menos de um mês, líder do Campeonato Brasileiro, o São Paulo estava prestes a entrar em campo para enfrentar o Grêmio pela semifinal da Copa do Brasil. O Internacional era o quarto da Série A, sete pontos atrás do primeiro colocado. Hoje, o time gaúcho lidera o certame e o São Paulo, eliminado do mata-mata nacional, perdeu a ponta da classificação tomando de 5 a 1.

Houve quem afirmasse que o São Paulo já era quase campeão da Série A. Isso com 13 rodadas a disputar. Alguns desses agora dizem que os tricolores "perderam o campeonato mais ganho", nada além de uma maneira de não admitir que a previsão foi um erro crasso. Evidentemente, havia muito a se jogar até o encerramento da competição. E ainda há, lembremos.

Fernando Diniz, enfim, vinha fazendo trabalho que gerava reconhecimento e elogios, e despertou nos que tentam provar suas próprias teses o discurso do tempo de trabalho para treinadores de futebol. Como se fosse algo automático. Não é. Um período maior no cargo de nada adianta quando o técnico não se sai bem e sequer dá sinais nessa direção.

Os elogios ao são-paulino eram justos, como as críticas de agora, e as que foram feitas depois das quatro eliminações na temporada, no Campeonato Paulista, pela Libertadores, na Sul-americana e também na Copa do Brasil. Fato: Diniz e seus atletas perderam o rumo depois da desclassificação diante dos gremistas na última partida do time em 2020.

Agora surgem os que tentam usar o trabalho atual de Abel Braga para deletar suas péssimas participações recentes em outros clubes de 2019 pra cá. O trabalho dele no Flamengo foi ruim? Sim. Críticas eram pertinentes E no Cruzeiro? Também. Críticas merecidas. E no Vasco? Fraquíssimo. Críticas justíssimas. E no Inter, Abel vai bem? Sim. Por isso agora é elogiado.

Internacional e São Paulo ainda estão na briga pelo título, como outros que ocupam da terceira à sexta posição. O campeonato é nivelado por baixo, disputado por times irregulares. Em tempos de pandemia, o retrocesso futebolístico é evidente e afeta até a Premier League. Tal cenário amplia as possibilidades para treinadores como José Mourinho, lá, e Abel Braga, aqui. E se forem campeões, palmas para eles.

Nessa gangorra, é mais do que óbvio: tudo pode mudar até a rodada derradeira, nada está definido. Mas se for campeão, Diniz não apagará seus fracassos anteriores. O mesmo vale para Abel, que pode ganhar o Brasileiro que nem assim desaparecerão suas fraquíssimas participações em outros clubes de 2019 para cá. Sem oportunismos, por gentileza.

Siga Mauro Cezar no Twitter

Siga Mauro Cezar no Instagram

Siga Mauro Cezar no Facebook

Inscreva-se no Canal Mauro Cezar no YouTube