PUBLICIDADE
Topo

Mauro Cezar Pereira

Acordo de Diego Alves com o Fla terá cláusula de saída como a de Rafinha

Diego Alves continuará no Flamengo - Alexandre Vidal/Flamengo
Diego Alves continuará no Flamengo Imagem: Alexandre Vidal/Flamengo
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

18/12/2020 04h00

Um ano de contrato com aumento de salário e cláusula de saída, como a de Rafinha, no meio de 2021. Flamengo e Diego Alves chegaram a um acordo para renovar o contrato do goleiro, que poderá se transferir, sem multa, para clubes do exterior ao final da temporada europeia.

Após impasse e exagerada polêmica, o camisa 1 cedeu em relação ao que pedia inicialmente e o acordo foi selado com o clube também sendo mais flexível. A cláusula de saída permitirá a Diego Alves aceitar eventual proposta atraente de fora do Brasil, como ocorreu com o lateral-direito, que se transferiu para o grego Olympiakos em meados de 2020.

Em meio ao processo de convencimento do atleta, o vice-presidente de futebol, Marcos Braz, chegou a publicar foto sinalizando o acordo em sua rede social. O dirigente se reuniu com o agente de Diego Alves nesta quinta-feira para definir a situação. O camisa 1 compartilhou a postagem.

Siga Mauro Cezar no Twitter

Siga Mauro Cezar no Instagram

Siga Mauro Cezar no Facebook

Inscreva-se no Canal Mauro Cezar no YouTube

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL