PUBLICIDADE
Topo

Mauro Cezar Pereira

Coritiba passeia no Allianz Parque. O que faz Luxemburgo no Palmeiras?

Rodson celebra gol pelo Coritiba diante do Palmeiras, pelo Brasileirão, no Allianz Parque: dois tentos e uma assistência - Marcello Zambrana/AGIF
Rodson celebra gol pelo Coritiba diante do Palmeiras, pelo Brasileirão, no Allianz Parque: dois tentos e uma assistência Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

14/10/2020 20h06

São várias atuações fracas, fraquíssimas, pífias. O trabalho de Vanderlei Luxemburgo no Palmeiras é patético. Há quem minimize, há quem procure virtudes, há quem fique constrangido e não critique por gratidão, afinal, o técnico tem títulos pelo clube em seu currículo. Sem nada com isso, o Coritiba venceu a partida da noite desta quarta-feira no Allianz Parque por 3 a 1.

Autor dos dois primeiros gols, Róbson ainda deu passe para o terceiro, de Giovanni Augusto. Segunda vitória fora de casa do time paranaense, que somente uma vez marcou três gols na mesma partida neste campeonato, nos 3 a 3 com o Goiás, em Goiânia. A equipe dirigida por Jorginho finalizou mais no alvo (9 a 5 pelas estatísticas do SofaScore) e, ao contrário do 1 a 1 com o São Paulo em casa, não ficou fechada, segurando o placar.

Foi a terceira derrota consecutiva do Palmeiras, que perdeu a invencibilidade na Série A uma semana antes, no Rio de Janeiro, para o Botafogo (2 a 1), caiu pela primeira vez diante do São Paulo em seu estádio (2 a 0) sábado, e agora encara essa queda diante de um oponente que estava na zona do rebaixamento há várias rodadas antes de a bola rolar. Um absoluto desastre. Nada, nada surpreendente para quem analisa futebol sem contaminar as observações com vínculos de amizade ou emocionais.

Uma desilusão para o palmeirense que acreditou no velho/novo treinador quando retornou ao clube, que fechou os olhos para os inúmeros problemas da equipe quando ganhou, a duras penas, o título estadual diante de um Corinthians que se arrastava (e ainda se arrasta). O tempo voa, o futebol se transforma, e quem se acha capaz de seguir no topo, competitivo, com as estratégias do passado fracassa. Fracassa merecidamente!

Siga Mauro Cezar no Twitter

Siga Mauro Cezar no Instagram

Siga Mauro Cezar no Facebook

Inscreva-se no Canal Mauro Cezar no YouTube

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL