PUBLICIDADE
Topo

Torcida quer saber se Jorge Jesus vai embora, mas a Fla TV não perguntou

Jorge Jesus dá entrevista à Fla TV após perder a Taça Rio para o Fluminense nos pênaltis: faltou a pergunta obrigatória - Reprodução Fla TV
Jorge Jesus dá entrevista à Fla TV após perder a Taça Rio para o Fluminense nos pênaltis: faltou a pergunta obrigatória Imagem: Reprodução Fla TV
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

09/07/2020 10h37

Nos dias que antecederam a final da Taça Rio, dois assuntos tomaram o noticiário esportivo, ofuscando o Fla-Flu, o que dá a noção do esvaziamento dos campeonatos estaduais. Um deles, a transmissão do clássico. Outro, a novela portuguesa Flamengo-Jorge Jesus-Benfica.

Se qualquer torcedor, rubro-negro ou não, pudesse fazer uma pergunta ao técnico hoje, 100% de chances de ele ouvir: "Mister, o senhor vai voltar para Portugal ou continuar trabalhando aqui no Brasil?". Após a vitória tricolor nos pênaltis, ele só deu entrevista ao canal flamenguista no YouTube. E a Fla TV não fez a pergunta básica ao treinador.

Consequentemente, o ultimamente comentado veículo não fez o papel jornalístico básico. E não o fez porque a Fla TV, como todo a mídia de clubes, faz muita coisa, menos jornalismo. Elas são meros instrumentos de divulgação (positiva), institucional, de marketing... São quase tudo, menos jornalísticos.

A culpa, obviamente, não é da entrevistadora. Alguém acredita que a direção do Flamengo a incentive e autorize a perguntar o que quiser? Evidentemente não era pauta interessante para Jorge Jesus, ainda mais valorizado com os dois clubes que detêm as maiores torcidas no Brasil e em Portugal a disputá-lo. Aparentemente esse ponto também não atraía os dirigentes. Mas era o que a torcida queria e quer saber, quem deu importância a isso?

Deveria haver uma entrevista coletiva. Nas circunstâncias, por vídeoconferência ou com perguntas enviadas à distância, por WhatsApp. Poderia ser até mesmo como na Premier League, que permite questionamentos específicos dos repórteres aos personagens após os jogos. Mas Jorge Jesus só falou à Fla TV. Cômodo. Conveniente.

Claro, uma coletiva não nos livra de perguntas insossas e do jornalismo chapa-branca, como a constrangedora última entrevista da seleção brasileira deixou claro. Mas como naquela ocasião, certamente alguém perguntaria o essencial ao técnico. E mesmo que ele fugisse da questão e não respondesse, seria um importante sinal em meio ao assédio do Benfica e o silêncio do treinador.

Pobre do ingênuo torcedor que acha possível se informar por canais oficiais de clubes. Coitado do cidadão que considera dispensável o jornalismo. São criaturas dispostas a serem iludidas, a terem informações a elas sonegadas. Gente que se apresenta voluntariamente para ser enganada.

follow us on Twitter follow me on youtube follow me on facebook follow us on instagram follow me on google plus

Mauro Cezar Pereira