PUBLICIDADE
Topo

A escolha do Cruzeiro pelo PPV e as conversas Fla-Globo de "mornas a frias"

Sérgio Santos Rodrigues, novo presidente do Cruzeiro - Gustavo Aleixo/Divulgação/Cruzeiro
Sérgio Santos Rodrigues, novo presidente do Cruzeiro Imagem: Gustavo Aleixo/Divulgação/Cruzeiro
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

30/05/2020 04h00

O UOL publicou na terça-feira que o Cruzeiro optou por ficar com a arrecadação do pay-per-view do Campeonato Brasileiro da Série B, com a expectativa de embolsar perto de R$ 17 milhões. Para isso, deixa de lado a cota da segunda divisão, cerca de R$ 8 milhões. Os times da segundona têm que escolher apenas um dos contratos, administrados via CBF.

O blog apurou que tal decisão foi tomada há algum tempo, ainda antes da gestão do presidente recém-eleito, Sérgio Santos Rodrigues. É esperada uma queda no PPV devido à pandemia do novo coronavírus, mesmo assim executivos da área veem a opção como a melhor para o clube. O setor acredita que entre uma e duas semanas se saberá o tamanho desse declínio.

A referência histórica do Cruzeiro no PPV aponta grande distância entre seu faturamento de PPV e cota fixa da Série B. Para o clube, a expectativa de um maior faturamento ajuda em eventuais idas ao mercado em busca de dinheiro. Assim, poderá oferecer garantias financeiras mais robustas, embora muito inferiores aquilo que ganharia se o time permanecesse na primeira divisão.

Já a negociação entre Flamengo e Rede Globo para transmissão dos jogos do Campeonato Carioca estão "de mornas para frias", já que as conversas foram momentaneamente congeladas, ante a indefinição quanto à volta do futebol. O time rubro-negro treina há 11 dias, mas não existe data oficialmente definida para que as partidas do Estadual do Rio de Janeiro aconteçam.

Contudo, a expectativa é de evolução entre as partes no momento adequado. Há interesse mútuo pelo entendimento, o clube quer ter os jogos exibidos, precisa disso, e o grupo de comunicação naturalmente pretende ter o time de maior torcida no país, campeão nacional e sul-americano na tela. No entanto, mas ainda não se chegou a um estágio mais efetivo.

Mauro Cezar Pereira