PUBLICIDADE
Topo

Derrocada do Clube do Vinho completa um ano. Vitória do futebol brasileiro

Abel Braga, técnico do Flamengo, durante partida contra o Athletico no Maracanã - Thiago Ribeiro/AGIF
Abel Braga, técnico do Flamengo, durante partida contra o Athletico no Maracanã Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

29/05/2020 12h37

Há exatamente um ano Abel Braga pedia demissão do Flamengo. O trabalho do outrora vitorioso treinador foi um dos mais frustrantes nos últimos anos, se considerarmos as expectativas criadas por um elenco qualificado. Não só pelos resultados, mas especialmente devido à qualidade do futebol apresentado, aquém do que poderia apresentar, como o tempo comprovou.

Já na entrevista concedida ao blog e publicada em 5 de março de 2019, o treinador deixava clara sua intenção de alterar radicalmente a forma de jogar do time: "Flamengo é muita posse de bola e estou tentando tirar isso um pouquinho, algo mais real, mais reativo, mais na direção do gol (...). Minha maior preocupação foi tirar um pouco desse toque de bola muito lateralizado".

Cinco dias antes do último jogo do Flamengo sob o comando de Abel, a vitória (acredite, seguida de protestos da torcida) sobre o Athletico, de virada, por 3 a 2, no Maracanã, o blog mostrou que o time era, em 2019, o que menos vezes deixou a cancha sem buscar a bola no fundo de suas redes. Os rubro-negros eram vazados em praticamente todas as partidas, não havia solidez defensiva.

Dois dias antes da demissão, o site Globo Esporte publicou levantamento mostrando que com 27 gols sofridos em 30 jogos, o Flamengo tinha pior desempenho defensivo dos cinco anos mais recentes. O time só não levou gols em oito partidas das 31 sob comando de Abel Braga, incluindo a de despedida. No Brasileiro, com ele levou tentos em todos os compromissos.

Já não se via mais uma boa defesa, marca registrada de bons trabalhos anteriores do treinador em suas melhores fases da carreira. Apesar disso, das apresentações ruins, gols sofridos em tantas pelejas, fatos mostrados em detalhes neste blog e em outros espaços, a tropa de choque que defendia a permanência do técnico seguia atuante em diversos segmentos da mídia.

Era o "Clube do Vinho", expressão inspirada na bebida mais apreciada por ele, e que identificava aqueles que o defendiam incondicionalmente. Jamais se viu tamanha solidariedade a um treinador de futebol em má fase. Praticamente nada do que de ruim acontecia era responsabilidade dele. Um incrível desejo de vê-lo seguir no clube de qualquer forma. Difícil entender.

O blog registrou em 25 de abril, "Abel Braga é um sujeito legal. Ótimo papo, honesto, pessoa bacana. Por isso é tão popular e tem muitos amigos" (...). Abel e suas frases de efeito. Que hoje não surtem efeito algum, mesmo cultivando muitas amizades, inclusive na imprensa. E ele é um cara tão legal que acaba poupado. Mas o campo e a bola não têm sido seus amigos".

Jorge Jesus chegou ao Brasil e o restante da história segue vivo na memória. A derrota do "Clube do Vinho" foi a vitória do futebol, muito mais bem jogado com o comando do português, que ao lado de Jorge Sampaoli, então no Santos, mudou o patamar da bola que rola em terra brasilis. Os próprios torcedores já não toleram facilmente qualquer coisa que lhes ofereçam. Que bom!

Mauro Cezar Pereira