PUBLICIDADE
Topo

Moro x Bolsonaro faz o euro disparar e Galo pode perder 3 pontos na Série A

Janeiro de 2019, Bolsonaro empossa Moro                 - VALTER CAMPANATO/AGêNCIA BRASIL
Janeiro de 2019, Bolsonaro empossa Moro Imagem: VALTER CAMPANATO/AGêNCIA BRASIL
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

26/04/2020 19h27

Como o blog informou na quinta-feira, o Atlético atrasou salários e deixou reservado dinheiro destinado a cobrir antiga dívida que motiva ação na Fifa. Ela se refere à contratação de Maicosuel junto à equipe italiana da Udinese, e vence à meia-noite de terça, dia 28. Mas, em constante alta, o euro disparou ainda mais na semana passada com a crise Moro x Bolsonaro. Se não pagar os 2.177.160 euros, o Galo poderá perder três pontos no Campeonato Brasileiro.

Maicosuel - Bruno Cantini/Clube Atlético Mineiro - Bruno Cantini/Clube Atlético Mineiro
O atacante Maicosuel no Atlético: dívida de 2014
Imagem: Bruno Cantini/Clube Atlético Mineiro

"Ainda não temos o valor total. Esse já é o quinto ou sexto jogador de gestões anteriores que eu tenho que pagar. Isso não é minimamente aceitável. Gestores têm que responder pessoalmente por esse tipo de irresponsabilidade. Contratar e empurrar o pagamento pra frente é errado", disse ao blog o presidente atleticano, Sérgio Sette Câmara, que alega ter isolado R$ 10 milhões para a dívida.

Devido à alta da moeda europeia, o clube alega não ter mais a quantia suficiente para cobrir o endividamento. Na terça-feira passada o euro estava em R$ 5,7735. Quando o blog falou com Sette Câmara, na quinta, chegara a R$ 5,9681, e na sexta bateu R$ 6,0519. Domingo, apareceu a R$ 6,28. Se há cinco dias o Galo precisava de R$ 12,569 milhões, começa a semana necessitando de R$ 13,672 milhões, ou seja, mais R$ 1,103 milhão.

"O efeito Moro-Bolsonaro foi devastador", lamentou o dirigente, se referindo à demissão do Ministro da Justiça, em confronto com o presidente da República, o que ocasionou mais uma disparada de moedas estrangeiras.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL