PUBLICIDADE
Topo

Com balanço próximo, Corinthians vê sua dívida disparar na volta de Andres

Andres Sanches, presidente do Corinthians - Youtube/TV Corinthians
Andres Sanches, presidente do Corinthians Imagem: Youtube/TV Corinthians
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

25/04/2020 11h15

Até o final de abril será conhecido o balanço de 2019 dos clubes brasileiros. E o do Corinthians desperta grande a expectativa. Ainda mais vivendo período eleitoral. Em pouco mais de uma década, desde a volta à primeira divisão, os alvinegros viram seu endividamento crescer 627,5%. Apenas em dois anos ele caiu: 2012 (R$ 1,4 milhão) e 2016 (R$ 27 milhões).

Importante: a primeira redução ocorreu na temporada mais vitoriosa da história do clube, quando Libertadores e Mundial da Fifa foram conquistados. O outro ano com queda de dívida, o de 2016, foi o seguinte a mais um título brasileiro. Antes, ao vê-la se aproximar de meio bilhão de reais, o então presidente, Roberto de Andrade, anunciou que reduziria despesas.

"Se você gasta mais do que tem, corre o risco de ter que vender o carro, a casa...", disse, na ocasião. A crise financeira provocou uma debandada de jogadores importantes, como Gil, Jadson, Renato Augusto, Ralf e Vágner Love. Todos com multas rescisórias baixas depois de acordos feitos após atrasos com os atletas. Clubes chineses fizeram a limpa.

Em 2017, último ano de Andrade no poder, a dívida voltou a crescer e mais um título da Série A foi alcançado. Em 3 de fevereiro de 2018, Andres Sanches venceu a eleição. Após sua volta à presidência (anteriormente ocupou o cargo entre 2007 e 2011), o endividamento aumentou R$ 190,4 milhões em 17 meses (uma média de R$ 11,2 milhões por mês), superando os R$ 600 milhões.

Observe (acima) que a dívida disparou incrivelmente no primeiro semestre de 2019, de acordo com o item "posição do endividamento" do boletim publicado na página corintiana "Transparência" em 30 de junho de 2019. Todos esses números não incluem a estrutura existente em Itaquera, que absorve o que gera, dinheiro que escoa para o fundo Arena Fundo FII, gestor do estádio.

Mauro Cezar Pereira