PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Mauro Cezar Pereira


Mais um Guarani na vida do Corinthians de Tiago Nunes e seus mistérios

Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

15/03/2020 18h53

Seis jogos sem vencer no Campeonato Paulista, duas derrotas e quatro empates. Desde a última atuação elogiada no certame, os 2 a 0 sobre o Santos no já distante 2 de fevereiro; o Corinthians não consegue triunfar, tampouco mostrar bom futebol. O 1 a 1 com o Ituano aproximou, ainda mais, da precoce eliminação, o que seria a segunda na temporada, ainda no começo, após cair na primeira fase da Copa Libertadores diante do Guaraní paraguaio.

Nesta segunda-feira, uma vitória do Guarani, no dérbi de Campinas e os corintianos estarão virtualmente desclassificados do Paulista. Pior, caso a Ponte Preta vença crescerá o risco de rebaixamento do tricampeão estadual. Um cenário inimaginável quando da chegada de Tiago Nunes a Itaquera, valorizado pelas duas ótimas temporadas à frente do Athletico, com títulos da Sul-americana e Copa do Brasil. Mas praticamente tudo está saindo errado.

Estranha a situação do time. Seria razoável, compreensível o Corinthians ainda em busca do melhor futebol, sem atingir o patamar esperado. Mas é estranho, misterioso, que não consiga jogar nada parecido com o que se esperava ante a chegada de um novo e bom treinador. Limitar o problema ao campo e à prancheta parece pouco. Há uma falta de sintonia cuja raiz precisa ser identificada. Com o risco de não existir solução, afinal, Tiago Nunes treina dias e mais dias seguidos, e mesmo assim nada melhora.

Mauro Cezar Pereira