PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Mauro Cezar Pereira


Palmeiras e Santos vencem de novo na Libertadores, mas ainda não convencem

Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

11/03/2020 01h15

Palmeiras e Santos venceram novamente na Libertadores e seguem na toada do resultado melhor do que o desempenho. Se conseguirem melhorar adiante, ótimo para ambos, mas ainda há boa distância para se chegar a tanto.

Com Dudu novamente encarregado de atuar como meia, no primeiro tempo o Palmeiras arrematou oito vezes. Apenas uma na direção do gol, contra três do Guaraní, ambas erradas, pelos números do SofaScore. Meros 54 passes certos somou o time paraguaio antes do intervalo.

O gol de Luís Adriano aos oito minutos do segundo tempo deu tranquilidade ao time brasileiro e serviu para os com enorme boa vontade elogiarem a estratégia alviverde. Ora, um passe após falta batida rapidamente não faz da atuação de Dudu como meia algo convincente.

Sobre o lance, vale ressaltar o erro do árbitro. Ele dera cartão amarelo a na falta a favor do time brasileiro. Portanto, o jogo só poderia ser reiniciado com a autorização do juiz, mas o time palmeirense cobrou a infração de surpresa. Na sequência, gol.

Mais cedo, o Santos venceu a terceira partida seguida, a segunda pela Libertadores, e chegou ao quarto jogo sem derrota. O treinador português Jesualdo Ferreira vai construindo ao seu redor a paz de que tanto precisava.

Em campo, a falha do goleiro Baroja foi fundamental no gol de Lucas Veríssimo, que deu a vitória sobre o Delfín. Mas o time equatoriano finalizou mais (20 a 15), embora os santistas tenham acertado mais o alvo (4 a 3). Sem brilho, mas eficaz.

Claro, a distância é imensa entre o que os torcedores santistas viam em 2019 e os últimos jogos, mesmo com os triunfos consecutivos. Mas além das baixas no elenco, o perrfi do técnico também mudou. É preciso entender o contexto desse Santos 2020.

Mauro Cezar Pereira