PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Mauro Cezar Pereira


No empate melancólico do Palmeiras, o óbvio que fica cada vez mais evidente

Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

07/03/2020 19h18

Mais finalizações e mais chances claras teve o Palmeiras no empate com a Ferroviária, no Allianz Parque. Até aí nada além do natural, de mera obrigação de um time muito mais caro, técnico, superior, mesmo sem todos os titulares. O 1 a 1 diante de 27.467 torcedores foi melancólico e apenas reforçou a percepção de algo notado há alguns jogos: o time não está evoluindo.

A saída de Patrick de Paula para a entrada de Bruno Henrique aos 16 minutos do segundo tempo irritou palmeirenses. Gritaria que ganha eco porque há quem proteste contra as chances seguidas a jogadores mais experientes, em detrimento dos meninos da base, que até ganharam mais espaço nesse começo de 2020. Mas o problema não se limita a nomes.

Na véspera da partida, no canal do clube no YouTube, Vanderlei Luxemburgo justificou a rotatividade do elenco e as mudanças na formação inicial apontando para a prioridade dada ao jogo de terça-feira, contra o Guaraní do Paraguai, pela Libertadores. "Estamos introduzindo a molecada gradativamente (...). Isso está acontecendo de maneira equilibrada", disse.

Boa parte das teses defendidas pelo treinador em suas aparições nesses vídeos parecem lógicas, mas o problema do Palmeiras vai além das palavras. O que chama a atenção é o futebol apresentado, mesmo enfrentando equipes que passam longe de serem fortes, como o Tigre, na quarta-feira passada, e a Ferroviária, neste sábado.

Luxemburgo falou, ainda, sobre experiências feitas no time e na tentativa de implementação de uma nova maneira de atuar, citou até um "perde e pressiona" que não tem sido muito visto na cancha. Destacou números de Dudu, elogiando o desempenho do seu principal jogador e, incrível, alegou que o time não deu chutões na Argentina.

No dia seguinte não se viu tantas rebatidas e lançamentos como no jogo disputado contra o Tigre. O Palmeiras criou mais, finalizou mais, teve mais posse de bola. Não poderia ser diferente diante da Ferroviária. Mas, de novo, foi pouco futebol, resultado fraco e uma sensação cada vez mais clara, óbvia até, de um elenco subaproveitado que não evolui.

Mauro Cezar Pereira