PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Mauro Cezar Pereira


São Paulo ensina a perder gols e Vasco vence graças a incrível gol perdido

Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

05/03/2020 23h48

Em Juliaca, a 3.850 metros do nível do mar, o São Paulo finalizou 18 vezes. Seis na direção do gol, segundo os números do SofaScore, metade em cada tempo, com claras chances desperdiçadas antes do intervalo.

Antony e Pablo erraram quando tiveram chances para abrir pelo menos dois gols de vantagem na etapa inicial, antes que os efeitos da altitude na cidade peruana entrassem em campo. Custou caro a má pontaria.

A virada do Binacional no segundo tempo poderia ser evitada se os tricolores fizessem um placar administrável quando possível. E foi possível. Mas o São Paulo perde gols até quando isso parece algo impossível.

Quer assistir aos melhores jogos da Libertadores ao vivo? Experimente o FOX Sports pelo UOL Esporte Clube!

Germán Cano abriu o placar para o Vasco da Gama contra o ABC na Copa do Brasil - Thiago Ribeiro/Thiago Ribeiro/AGIF
Germán Cano abriu o placar para o Vasco da Gama contra o ABC na Copa do Brasil
Imagem: Thiago Ribeiro/Thiago Ribeiro/AGIF

No Rio de Janeiro, o Vasco jogou no Maracanã para quase 32 mil torcedores e venceu o ABC pela Copa do Brasil. Com direito a susto no último lance da partida, quando a bola circulou ameaçadoramente na área.

O time segue jogando mal e, mais uma vez, foi salvo pela presença do artilheiro Germán Cano. Mais uma vez o argentino apareceu, mostrando a habitual eficiência em uma das chances criadas. Decidiu.

Do lado da equipe potiguar, Paulo Sérgio, revelado no Flamengo, desperdiçou oportunidade inacreditável, daquelas que provavelmente nem os são-paulinos perderiam. O gol estava vazio e ele errou incrivelmente.

Entre a altitude peruana e o nível do mar carioca, gols perdidos foram tão ou mais decisivos do que os marcados, sorte do Vasco e do Binacional, azar, e incompetência, de São Paulo e ABC.

Mauro Cezar Pereira