PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Mauro Cezar Pereira


No estilo Felipão, Palmeiras faz sua parte e vence o Tigre na qualidade

Dudu em ação pelo Palmeiras diante do Tigre, na estreia da Libertadores 2020 - Agustin Marcarian/Reuters
Dudu em ação pelo Palmeiras diante do Tigre, na estreia da Libertadores 2020 Imagem: Agustin Marcarian/Reuters
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

04/03/2020 22h48

"Vou montar (o time) direcionado para o meu pensamento, que é de uma equipe mais ofensiva, jogando no campo do adversário, mais proativa. No momento, o pessoal vem falando de reativa e proativa, então é uma equipe mais proativa e buscando o jogo sempre".

As palavras de Vanderlei Luxemburgo, ainda em dezembro, antes da Florida Cup, anunciavam um Palmeiras diferente em 2020. Nos 2 a 0 sobre o Tigre, fora de casa, na estreia alviverde na Copa Libertadores, o que se viu, mais uma vez, foi algo bem diferente disso.

Desnecessário discutir se o Palmeiras mereceu, ou não, vencer na Argentina. O triunfo por 2 a 0 foi justo. Mas refletiu muito mais a qualidade técnica bem superior do time brasileiro do que o jogo coletivo, apesar das claras limitações do adversário.

Contra uma equipe de campanha mediana na segunda divisão argentina, o time de Vanderlei Luxemburgo voltou a mostrar características dos tempos de Luiz Felipe Scolari. Foram 30 rebatidas, quase a média do Brasileiro de 2018, de 32,5, pelos números do Footstats.

Diante do Tigre, os alviverdes fizeram e 43 lançamentos. No Brasileirão de 2019, usaram as chamadas "bolas longas", em média, 32 vezes por peleja! Na Série A 2018, 43, ou seja, contra o Tigre tal recurso foi tão utilizado como nos tempos de Felipão.

Nada contra jogar assim, todos os times têm o direito de usar os recursos que bem entenderem em campo, desde que dentro das regras. Mas as palavras do treinador registradas em dezembro, quando sua volta ao clube foi anunciada, seguem distantes da realidade.

O Palmeiras começou com vitória, e não se poderia esperar outro resultado, tamanha a disparidade entre as equipes. Mas a proposta de jogo prometida, anunciada, esperada, segue ausente do campo. E a cada partida parece menor a perspectiva de vermos um novo Palmeiras.

Mauro Cezar Pereira