PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Mauro Cezar Pereira


É precipitado afirmar que o Fla ganhará tudo, mas rivais precisam acelerar

Diego Alves, Everton Ribeiro e Diego levantam taça da Supercopa do Brasil pelo Flamengo - Lucas Figueiredo/CBF
Diego Alves, Everton Ribeiro e Diego levantam taça da Supercopa do Brasil pelo Flamengo Imagem: Lucas Figueiredo/CBF
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

16/02/2020 19h58

Grêmio, Internacional, São Paulo, Corinthians, Palmeiras, Santos, Atlético... Tradicionais rivais do Flamengo estiveram em ação no fim de semana, que teve o campeão brasileiro e da Libertadores ganhando a Supercopa do Brasil ao bater, com facilidade, o Athletico por 3 a 0. A normalidade com a qual o time de Jorge Jesus bateu o Furacão chamou a atenção, mesmo com o enfraquecimento atleticano em relação a 2019, após as saídas de jogadores importantes. E o Flamengo sequer fez uma grande atuação em Brasília. Pelo contrário, até concedeu muitas oportunidades ao oponente.

Se o Corinthians junta os cacos pós-eliminação da Libertadores, mas tem reais perspectivas de progresso, o Palmeiras ainda não deu reais sinais de que atingirá os níveis de jogo esperados. A evolução da equipe não é vista, embora o material humano seja bom o suficiente e tenha virado o jogo na estreia de seu gramado artificial. O São Paulo segue errando demais nas finalizações e encarando velhos fantasmas nesses tempos do jejum de títulos. O Santos tem novo técnico português, mas perdeu jogadores e o Atlético enfrenta dificuldade no início de trabalho do seu treinador venezuelano.

No Rio Grande do Sul há boas expectativas quanto ao Inter, agora sob comando argentino. Contudo, hoje está mais preocupado em alcançar a fase de grupos da Libertadores. O Grêmio sofre uma robusta reformulação, venceu o clássico de sábado, mas há muito o que caminhar para atingir o patamar sonhado. Em suma, ainda é início de temporada. O Flamengo pode melhorar ainda mais, mas sempre há o risco de inesperados problemas que derrubam um trabalho. Por isso é precoce afirmar que vencerá tudo, ainda mais com a facilidade imaginada por tantos. Mas os demais precisam melhorar. E logo.

O tempo já está correndo, a fase de grupos da Libertadores se aproxima e times que não a disputam já estão sofrendo na Copa do Brasil. E em pouco mais de dois meses o Campeonato Brasileiro vai começar. Se os rivais não melhorarem muito, só terão maiores chances se o Flamengo se complicar sozinho.

Mauro Cezar Pereira