PUBLICIDADE
Topo

Marcel Rizzo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Países planejam Copa do Mundo de 2030 com 18 estádios e final no Uruguai

Estádio Centenário, no Uruguai, para Palmeiras x Flamengo na Libertadores - Staff Images / CONMEBOL
Estádio Centenário, no Uruguai, para Palmeiras x Flamengo na Libertadores Imagem: Staff Images / CONMEBOL
Marcel Rizzo

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Colunista do UOL

30/06/2022 04h00

O projeto da candidatura conjunta de Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile para a Copa do Mundo de 2030 prevê 18 estádios.

A final seria no estádio Centenário, em Montevidéu, palco da decisão da primeira Copa do Mundo, em 1930. Comemorar os 100 anos do maior evento esportivo do mundo no continente e no país, Uruguai, onde ele ocorreu pela primeira vez é, por enquanto, o principal trunfo da Conmebol e dos governos dos quatro países para submeter a proposta à Fifa.

Há duas semanas, confederação sul-americana e políticos relançaram a candidatura, ou seja, ratificaram que ela continua de pé. Ainda não há um documento pronto que detalhe cidades e estádios, mas o número de 18 arenas, com o confronto de abertura em Buenos Aires e a final em Montevidéu se mantém na pauta.

A Copa de 2030 será a segunda com 48 participantes e 80 jogos — a primeira será em 2026, nos EUA, Canadá e México. Esse Mundial terá 16 estádios. Por isso, a ideia de 18 arenas dos sul-americanos não assustaria a Fifa — com 32 participantes, a Copa de 2022 do Qatar terá somente oito. No Brasil, em 2014, foram usadas 12. Em 2002, a Copa do Japão e Coreia teve 20 sedes.

O estádio Centenário passou por reforma em 2021 que custou US$ 5 milhões, bancada a maior parte pela Conmebol, para receber a final da Libertadores e modernizar setores da arquibancada, vestiário e gramado. Servirá para prévias inspeções da Fifa durante o processo de candidatura, mas será necessária nova intervenção caso a América do Sul ganhe o direito de ser sede da Copa 2030.

Espanha e Portugal, também em candidatura conjunta, são hoje os outros países que pretendem lançar proposta para a Copa do Mundo de 2030. A China se interessou, mas vai adiar seu projeto para 2034 por entender que ter um Mundial na Ásia em 2022 faz com que as chances do continente voltar a ter uma Copa 2030 sejam poucas.

A possibilidade de uma candidatura africana também existe. O continente recebeu só uma Copa do Mundo, na África do Sul, em 2010, e Marrocos já teve projetos derrotados para 2006 e 2026. A imprensa espanhola publicou recentemente que a direção da Fifa gostaria que os marroquinos se juntassem a Espanha e Portugal, numa candidatura tripla, mas a informação foi negada pela entidade.

Uma decisão sobre o local da Copa de 2030 deve ocorrer até 2024.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado inicialmente, o projeto que prevê jogos em 18 estádios na América do Sul não seria o com o maior número de arenas utilizadas. A Copa de 2002, no Japão e na Coreia do Sul, teve partidas em 20 arenas. O erro foi corrigido.