PUBLICIDADE
Topo

Marcel Rizzo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Mundial: possível rival do Palmeiras pode ter 9 desfalques e reclama à Fifa

Felipe Melo e Bwalya, durante Palmeiras x Al-Ahly no Mundial-2020 - Picture alliance via Getty I
Felipe Melo e Bwalya, durante Palmeiras x Al-Ahly no Mundial-2020 Imagem: Picture alliance via Getty I
Marcel Rizzo

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Colunista do UOL

30/11/2021 13h40

O Al-Ahly, do Egito, enviou nesta terça-feira (30) carta à Fifa reclamando das datas do Mundial de Clubes-2021, confirmado de 3 a 12 de fevereiro de 2022, em Abu Dhabi nos Emirados Árabes. O Al-Ahly pode ser rival do Palmeiras na semifinal da competição.

Os egípcios reclamam que o Mundial coincide com a Copa Africana das Nações, torneio de seleções do continente, que será disputada em Camarões de 9 de janeiro a 6 de fevereiro de 2022. A estreia do Al-Ahly será contra o Monterrey, do México, provavelmente em 5 de fevereiro.

No documento enviado à Fifa, o Al-Ahly pede uma solução para o conflito de datas argumentando que estará desfalcado de ao menos sete atletas egípcios, além do meia Aliou Dieng, do Mali, e do lateral tunisiano Ali Maalou.

O pedido deve ser rejeitado, apesar de o conflito de datas ter sido análise do departamento de competições da Fifa nas últimas semanas. O problema, para o Al-Ahly, é que pesou posicionamento da Europa e da América do Sul na escolha das datas.

A coluna apurou que a Fifa consultou as seis confederações sobre qual o melhor período em fevereiro de 2022 para a realização da competição, que estava marcada originalmente para dezembro de 2021, como usual, mas a sede original, o Japão, desistiu da organização por causa da pandemia. A Fifa então cedeu o torneio aos Emirados Árabes, que devido à Copa Árabe no vizinho Qatar e ao GP de Fórmula 1 em Abu Dhabi, que encerra a temporada dia 12 de dezembro, só poderia receber o Mundial em 2022.

A Uefa ouviu do Chelsea, seu representante, que preferia jogar no início de fevereiro — a Premier League inclusive já havia folgado o calendário do Chelsea entre 23 de janeiro, quando encara o Tottenham, até 19 de fevereiro, quando enfrenta o Crystal Palace. O clube inglês preferia também resolver logo o Mundial antes do jogo de ida das oitavas de final da Liga dos Campeões, que será em 15 de fevereiro contra rival a definir. O Chelsea tem dois africanos no elenco: o seneglês Edouard Mendy, goleiro titular, e o meia marroquino Hakim Ziyech.

A Conmebol disse que também preferia inicio de fevereiro porque sua Recopa, que reunirá os campeões da Libertadores (Palmeiras) e da Sul-Americana (Athletico-PR), está marcada para os dias 23 de fevereiro e 2 de março. Portanto, o Mundial com o Palmeiras no fim de fevereiro obrigaria a Conmebol a mudar sua Recopa, o que afetaria um calendário já apertado por causa da Copa do Mundo do Qatar, que será entre novembro e dezembro. Essa negociação foi feita antes da final da Libertadores em Montevidéu.

Ásia, Oceania e Concacaf (Américas do Norte, Central e Caribe) não sugeriram datas, e a África, do Al-Ahly, lembrou sobre a Copa das Nações, mas não peitou a Fifa sobre a data escolhida. O clube do Egito enviou a mesma carta escrita à federação internacional para a CAF (Confederação Africana de Futebol) e para a Federação Egípcia. Hoje a Fifa tem forte influência sobre a CAF, já que nos últimos anos precisou intervir na administração da confederação por causa de escândalos de corrupção.

O Palmeiras enfrentará o vencedor de Al-Ahly e Monterrey provavelmente no dia 8 de fevereiro. Além do clubes já citados participam da competição o Al-Jazira, representante do país-sede, o Al-Hilal, da Arábia Saudita e campeão asiático, e o Auckland City, da Nova Zelândia, indicado pela Oceania que pelo segundo ano seguido cancelou seu continental por causa da covid-19.