PUBLICIDADE
Topo

Marcel Rizzo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Conmebol adiantou US$ 10 milhões a associações para disputa da Copa América

Copa América realizada com a pandemia em alta é apoiada por associações - GettyImages
Copa América realizada com a pandemia em alta é apoiada por associações Imagem: GettyImages
Marcel Rizzo

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Colunista do UOL

02/06/2021 04h00

A pressão por realizar uma Copa América com a pandemia de covid-19 em alta na América do Sul tem a Conmebol como protagonista, afinal é a organizadora, mas com o consentimento das dez associações filiadas. E aí entra um dos motivos para se fazer o torneio: a confederação sul-americana já adiantou US$ 1 milhão (R$ 5,1 milhões) da cota mínima a que cada participante, incluindo a CBF, tem direito pela edição 2021 — totalizando US$ 10 milhões.

O repasse foi feito em maio de 2020, pouco depois do adiamento da competição que originalmente ocorreria entre junho e julho do ano passado, na sede conjunta de Argentina e Colômbia — dinheiro para ajudar no ciclo de preparação mais longo, segundo a Conmebol informou aos filiados.

Para a Conmebol, a Copa América dará prejuízo — ainda não se sabe quanto. Nas reuniões dos últimos meses, o principal argumento usado pela cúpula da confederação para bancar a competição foi a de providenciar tempo de trabalho para as seleções, que tiveram o calendário prejudicado por causa da pandemia. A seleção brasileira, por exemplo, fez apenas quatro jogos nos últimos 18 meses. Há preocupação de que os times da América do Sul cheguem na Copa do Mundo de 2022, no Qatar, com preparação inferior a dos europeus.

Seguindo o que foi feito com outras competições internacionais, como a Olimpíada de Tóquio e a Eurocopa, a entidade decidiu adiar em um ano a Copa América por causa da pandemia, esperando que em 2021 tudo estivesse melhor. Mas não está. A Colômbia, além da covid-19, convive com instabilidade política e precisou ser retirada da organização, seguida depois pela Argentina que alegou estar em um momento de alta de contágios. Cancelar o torneio? Como se já houve dinheiro antecipado e as federações contam com mais ao final? Foi quando o Brasil topou receber o campeonato.

Cada seleção participante da Copa América recebe, no mínimo, US$ 4 milhões somente por participar. O campeão soma outros US$ 10 milhões, mais de R$ 50 milhões na cotação atual do dólar, um valor considerável em qualquer momento, mas que se torna ainda mais essencial em período pandêmico.

Além do campeão, as outras sete seleções classificadas para as quartas de final recebem premiação, além da cota mínima, de acordo com a colocação final: o vice embolsa mais US$ 5 milhões; o terceiro, US$ 4 milhões; o quarto, US$ 3 milhões e cada um dos quatro eliminados nas quartas de final US$ 2 milhões. As duas seleções eliminadas na primeira fase ficam apenas com a cota mínima de US$ 4 milhões mais, claro, passagens e diárias de hotel para 50 pessoas estarem no país sede durante a participação na Copa América.