PUBLICIDADE
Topo

Marcel Rizzo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Após aglomeração na Libertadores, Palmeiras x Defensa terá protocolo rígido

Torcedores do Palmeiras no Maracanã, na final da Libertadores de 2020 - Jorge Rodrigues/AGIF
Torcedores do Palmeiras no Maracanã, na final da Libertadores de 2020 Imagem: Jorge Rodrigues/AGIF
Marcel Rizzo

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Colunista do UOL

14/04/2021 10h50

Depois de criticada por liberar entrada no Maracanã de cinco mil convidados na final da Libertadores entre Palmeiras e Santos, em 30 de janeiro, que não cumpriram regras de distanciamento social exigidos para evitar a infecção por covid-19, a Conmebol preparou um protocolo sanitário mais rígido para a decisão da Recopa. Palmeiras e Defensa Y Justicia (ARG) se enfrentam na noite desta quarta-feira (14), no estádio Mané Garrincha em Brasília.

Não haverá convidados, nem mesmo de patrocinadores. Também haverá limitação da presença de jornalistas e houve redução no número de funcionários, efetivos e terceirizados, que vão trabalhar durante o confronto. É exigido teste negativo (PCR) de covid-19 para acessar o estádio.

O protocolo é o mesmo usado nas partidas da Libertadores e da Sul-Americana de 2020 e que teve exceções abertas apenas nas finais únicas dos dois torneios, em janeiro de 2021, principalmente no jogo do Maracanã.

Mesmo a presença de autoridades, praxe em jogos decisivos como a final da Recopa, foi limitado. O cerimonial não espera a presença, por exemplo, do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), apesar de afirmar ser torcedor do Palmeiras e do jogo ocorrer na capital federal. Bolsonaro não esteve na final da Libertadores no Maracanã, que mesmo com os milhares de convidados exigia testagem negativa para covid-19 de todos os presentes.

O protocolo sanitário contra a covid-19 permitirá na cerimônia apenas jogadores, membros da comissão técnica e poucos funcionários e dirigentes dos clubes e da Conmebol. O troféu será entregue pelo presidente da confederação, Alejandro Dominguez. Isso, na avaliação da cartolagem, inibe a presença de autoridades.

A finalíssima da Recopa, que reúne o Palmeiras, campeão da Libertadores-2020, e o Defensa Y Justicia, ganhador da Sul-Americana-2020, será em Brasília, e não em São Paulo, porque a CBF indicou a capital federal à entidade sul-americana como opção já que o estado de São Paulo havia proibido jogos de futebol em protocolo sanitário para a pandemia.

A Conmebol cogitou marcar o confronto para Assunção, no Paraguai, onde com bom relacionamento com o governo tem garantia de que não haveria proibições por causa da covid-19, mas aceitou Brasília. No primeiro confronto da Recopa, na quarta passada (7) na Argentina, o Palmeiras venceu o Defensa por 2 a 1 e joga por um empate para ser campeão.

Na sexta-feira (9), o governo paulista liberou o futebol em São Paulo com exigências a serem seguidas, como mostrou o blog todas contempladas pelo protocolo da Conmebol, mas a entidade optou por manter a decisão da Recopa em Brasília por logística.

Santos x San Lorenzo (ARG), pela terceira fase preliminar da Libertadores, também foi no Mané Garrincha, na noite desta terça-feira (13) — empate por 2 a 2 que levou os brasileiros para os grupos.