PUBLICIDADE
Topo

Marcel Rizzo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Conmebol mantém calendário e Copa América pode desfalcar times por 42 dias

Tite e Neymar: Brasil está no Grupo B e vai jogar a Copa América na Colômbia - GettyImages
Tite e Neymar: Brasil está no Grupo B e vai jogar a Copa América na Colômbia Imagem: GettyImages
Marcel Rizzo

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Colunista do UOL

15/03/2021 11h10

A Conmebol enxugou o mínimo possível o calendário da Copa América que será disputada no meio do ano na Argentina e na Colômbia. Com as desistências dos convidados Qatar e Austrália, que por causa da pandemia não viajarão à América do Sul, a confederação manteve o regulamento e atrasou em só dois dias o início da competição, que antes era 11 de junho e agora será dia 13.

Isso fará com que os times brasileiros que tenham atletas convocados para a seleção de Tite, ou equipes de outros países, percam seus profissionais por até 42 dias (prazo máximo contando até a final da Copa América, em 10 de julho). Há uma data-Fifa antes da Copa América, portanto os jogadores são liberados em 31 de maio e podem voltar só em 11 de julho.

Isso equivale a dez rodadas do Brasileiro da Série A e partidas da terceira fase da Copa do Brasil (que a partir deste ano terá também a presença dos oito participantes da Libertadores). Os torneios da Conmebol não serão disputados no período.

O regulamento da Copa América também foi mantido: em vez de dois grupos de seis, serão dois de cinco com a presença dos dez países filiados à Conmebol. Todos jogam contra todos e os quatro primeiros avançam para as quartas de final — somente um é eliminado, portanto. O Grupo A tem sede na Argentina com os anfitriões, Chile, Paraguai, Uruguai e Bolívia. No B, na Colômbia, estão os donos da casa, Brasil, Peru, Venezuela e Equador.

Alguns cartolas chegaram a sugerir à cúpula da Conmebol uma diminuição maior do calendário, para 21 dias por exemplo. Isso ajudaria, no Brasil, a desfalcar menos os times que tiverem atletas convocados por Tite ou outras seleções — o Campeonato Brasileiro não vai parar e Copa América está no calendário da Fifa, portanto é obrigatório que se libere os jogadores.

A Conmebol rejeitou principalmente porque há acordos comerciais fechados desde 2020 e que precisam ser cumpridos pelo prazo pré-definido para a competição, de quatro semanas — a Copa América ocorreria entre junho e julho de 2020, mas a Covid-19 impediu a realização. Mesmo com o aumento de casos registrados no continente, principalmente no Brasil, neste início de 2021 a Conmebol não pretende adiá-la mais uma vez.

O jogo de abertura, em 13 de junho (e que inicialmente seria dia 11), é Argentina x Chile, no Monumental de Nuñez em Buenos Aires. O Brasil estreia dia 14, uma segunda-feira, contra a Venezuela em Medellín. Depois joga dia 18 frente o Peru em Cali, dia 24 diante da Colômbia em Barranquilla e no dia 28 encara o Equador em Bogotá. Se ficar nas duas primeiras colocações, joga as quartas na Colômbia, mas se terminar em terceiro ou quarto vai à Argentina.

A final será dia 10 de julho, um sábado, em Barranquilla (Colômbia).