PUBLICIDADE
Topo

Marcel Rizzo

Fifa planeja ter trio de arbitragem feminino na Copa do Mundo de 2022

Edina Alves Batista, convocada ao Mundial de Clubes que será disputado em fevereiro - Arquivo Pessoal
Edina Alves Batista, convocada ao Mundial de Clubes que será disputado em fevereiro Imagem: Arquivo Pessoal
Marcel Rizzo

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Colunista do UOL

04/01/2021 10h10

As convocações da árbitra Edina Alves Batista e das assistentes Neuza Back e Mariana de Almeida para o Mundial de Clubes-2020, que por causa da pandemia será disputado entre 1º e 11 de fevereiro de 2021, no Qatar, abrem caminho para algo que a cúpula da Fifa planeja há algum tempo: ter um trio de arbitragem feminino na próxima Copa do Mundo, em 2022, também no Qatar.

O tema é tratado diretamente pelo presidente da Fifa, Gianni Infantino, que pretende mostrar que a entidade trabalha na evolução do futebol feminino e isso passa, muito, pela integração entre homens e mulheres.

A escalação de um trio feminino, com as brasileiras Edina Alves e Neuza Back e a argentina Mariana de Almeida, é histórica porque será a primeira vez que mulheres apitarão em um torneio masculino profissional da Fifa. Até agora houve a presença das mulheres em campeonatos de base — a pioneira foi a suíça Esther Staubi, que em 2017 esteve em Japão x Nova Caledônia no Mundial Sub-17, na Coreia do Sul.

Em 2019, no Mundial Sub-2017 disputado no Brasil, Edina Alves foi convocada como árbitra reserva — ela já havia trabalhado na Copa do Mundo feminina da França, no meio do ano, e em jogos da Série A do Campeonato Brasileiro masculino. Mas outra mulher esteve no apito naquele Mundial, a uruguaia Cláudia Umpierrez.

Aos 40 anos, Edina Alves é paranaense, mas está filiada à Federação Paulista de Futebol. Pesou na escolha da Fifa o fato de ela ter trabalhado em seis jogos da Série A do Brasileiro masculino em 2020.

A Fifa vai trabalhar para ter um trio feminino na Copa do Mundo de 2022 e as convocações de Edina e de Neuza para o Mundial de Clubes as coloca na linha de frente para disputar essas vagas, o que poderia deixar um árbitro homem do Brasil fora da competição pela primeira vez desde 1958, quando nenhum profissional da arbitragem do país foi até a Suécia para trabalhar.

Hoje dois nomes são os mais cotados para serem indicados à Copa-2022, caso a Fifa opte por um homem brasileiro: Raphael Claus (SP) e Wilton Pereira Sampaio (GO).