PUBLICIDADE
Topo

Desfalcado na Libertadores, Flamengo deixou 16 vagas de inscrições abertas

Everton Ribeiro em ação contra o Barcelona de Guayaquil antes de ser diagnosticado com a Covid-19 na volta ao Brasil - Dolores Ochoa / POOL / AFP
Everton Ribeiro em ação contra o Barcelona de Guayaquil antes de ser diagnosticado com a Covid-19 na volta ao Brasil Imagem: Dolores Ochoa / POOL / AFP
Marcel Rizzo

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Colunista do UOL

24/09/2020 11h45

A Conmebol mantém posição de não adiar jogos na Libertadores por causa da Covid-19 e descarta fazer isso em Flamengo x Independiente Del Valle, marcado para as 21h30 da próxima quarta-feira (30), no Maracanã.

A entidade entende que ao liberar 50 inscritos deu margem para que as equipes tivessem atletas saudáveis suficientes para entrar em campo. O problema é que o Flamengo nem chegou perto de completar a lista, não pode mais aumentar, e após surto de Covid com 16 jogadores contaminados pode ter apenas 18 aptos (sem contar os lesionados) no jogo decisivo para a classificação às oitavas - no Brasileirão, a CBF avalia adiar o confronto de domingo (27) contra o Palmeiras.

O Flamengo é o clube brasileiro com menor elenco na Libertadores, 34 atletas no total. Com 16 com Covid-19, sobram hoje apenas 18 para colocar em campo na quarta. Isso pode mudar até o começo da semana porque se alguns testarem negativo em novo exame serão automaticamente liberados.

Internamente, a Conmebol diz que pode ter havido erro estratégico do Flamengo em não aumentar a lista de inscritos, mesmo com jogadores da base. O Palmeiras, que fechou seu elenco com 49, inscreveu até mesmo garoto de 16 anos que nem contrato profissional ainda tem (Giovani Henrique).

O clube carioca avaliou que seria suficiente manter o número de inscritos em 34, mas agora não tem mais como aumentar essa lista — era possível até 18 de setembro. Palmeiras (49), Santos (49), Grêmio (47) e Inter (47) usaram quase todo o limite. O São Paulo manteve 40 e o Athletico, como o Flamengo, optou por não aumentar mais e ficou em 38.

Bruno Henrique, Diego Ribas, Filipe Luís, Isla, Matheuzinho, Vitinho e Michael testaram positivo ainda no fim de semana e foram sacados do jogo de terça-feira (22) contra o Barcelona (EQU). Everton Ribeiro, Rodrigo Caio, Léo Pereira, William Arão, Renê, Gustavo Henrique, Thuler, Gabriel Batista e João Gomes foram detectados com Covid-19 após exame nesta quarta-feira (23).

Para piorar, dos 18 inscritos que hoje não têm Covid quatro são goleiros: Diego Alves, César, Hugo Souza e João Fernando. Os demais são Natan, João Lucas, Gabriel Noga, Ramon, Lázaro, Gerson, De Arrascaeta, Thiago Maia, Gabigol, Pedro Rocha, Pedro, Lincoln, Rodrigo Muniz e Guilherme Bala. Destes alguns ainda estão lesionados, como Diego Alves e Gabigol.

Além dos atletas, o presidente, Rodolfo Landim, o vice-presidente de futebol, Marcos Braz, o técnico do time, Domènec Torrent, o auxiliar técnico Juan, o médico Marcio Tannure, o vice-presidente de relações externas, Luiz Eduardo Baptista (Bap), o integrante do conselho gestor do futebol Dekko Roisman e ao menos mais dois membros do estafe rubro-negro também estão com Covid-19.

O surto na equipe brasileira quase cancelou o confronto contra o Barcelona em Guayaquil, mas porque o governo local num primeiro momento decidiu interditar o estádio em que o confronto ocorreria, justamente para forçar a Conmebol a cancelá-lo. A entidade, porém, com ajuda da Federação Equatoriana contatou o governo federal, que se movimentou e fez com que o estádio fosse reaberto. O Fla jogou e venceu por 2 a 1.

A Conmebol aumentou a lista de inscritos da Libertadores duas vezes. Primeiro passou de 30 para 40 atletas e no dia 14 de setembro ampliou ainda mais, para 50. A precaução é evitar que surtos de Covid-19 façam algumas equipes darem WO (derrota por 3 a 0) na competição. A Conmebol avisou em reunião antes da retomada do torneio que time que não aparecesse para atuar, ou não tivesse o mínimo de atletas (sete) para iniciar um jogo, levaria o WO — a Libertadores foi paralisada em março por causa da pandemia.

Também houve mudança no número de trocas de inscritos que pode ocorrer durante a Libertadores. Para as oitavas se manteve cinco, mas para quartas e semifinal serão até três, não mais duas, em cada fase. Para a final continuam proibidas alterações. Mas há um detalhe, como já relatado: não poderá haver aumento dos elencos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.