PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Marcel Rizzo


Substituição temporária no futebol por causa da covid-19? Europeus tentaram

Rafael Martins de Sá, árbitro do Rio de Janeiro, atua como enfermeiro em hospital durante a pandemia da covid-19 - Marcos Farias
Rafael Martins de Sá, árbitro do Rio de Janeiro, atua como enfermeiro em hospital durante a pandemia da covid-19 Imagem: Marcos Farias
Marcel Rizzo

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Colunista do UOL

11/05/2020 13h35

Classificação e Jogos

Federações, principalmente as europeias, tentaram com a International Board (Ifab), a associação que define as regras do futebol, exceção temporária no regulamento além da que foi aprovada das cinco substituições. Levaram um não.

A ideia era que se aprovasse também uma liberação emergencial em 2020 para o que a Ifab chama de "retorno de substituições". A regra é simples: jogadores poderiam ser trocados e, mais tarde, voltar a campo substituindo outro. Isso ocorre em quase todas as modalidades esportivas coletivas, menos no futebol. O atleta que é substituído não pode retornar à partida.

O "retorno de substituições" foi aprovado em 2017 pela Ifab para ser testado, mas somente em torneios de base e de veteranos. Profissionalmente, não. Alguns campeonatos de jovens pelo mundo usaram a novidade, mas não houve ainda uma avaliação da Ifab sobre qualquer possibilidade de tornar isso real no futebol de alto nível.

A pandemia causada pelo novo coronavírus paralisou competições no mundo todo e achatou o calendário. A Fifa orientou as federações que ao retomar ou iniciar competições, para ganhar datas, seria possível fazer mais partidas por semana do que o usual — no Brasil, por exemplo, lei determina intervalo de 60 horas entre os jogos.

Para não desgastar tanto os atletas caso associações decidam apertar seus calendários acumulando jogos, a Ifab aprovou que possam ser feitas cinco substituições por partida — hoje a regra permite somente três e uma quarta em prorrogações. Há algumas limitações, como o treinador ser obrigado a fazer duas mudanças ao mesmo tempo, a quarta e a quinta, para evitar a cera que é usada durante alterações mundo afora.

Algumas associações, porém, enviaram carta à Ifab e à Fifa pedindo que o retorno de substituições também fosse liberado para 2020. O argumento usado foi de que isso faria com que os times pudessem viajar com elencos menores, o que facilitaria o deslocamento em tempos de pandemia.

Para a Ifab, porém, a ideia talvez tivesse efeito contrário e atletas ficariam ainda mais desgastados, entrando e voltando a campo em mais de uma partida por semana. Os testes feitos em confrontos de base ainda não mostraram que efetivamente o jogo pode melhorar com essa regra.

Os campeonatos terão liberdade para adotar, ou não, a liberação das cinco substituições, mesmo aqueles que já começaram e tiveram que parar, como os Estaduais brasileiros, a Copa do Brasil e a Libertadores

Marcel Rizzo