PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Marcel Rizzo


VAR aumenta em 440% gastos com o Campeonato Brasileiro em 2019

Sala de VAR na Arena Corinthians durante o Campeonato Brasileiro de 2019. Tecnologia tem custo alto - Fernando Torres / CBF
Sala de VAR na Arena Corinthians durante o Campeonato Brasileiro de 2019. Tecnologia tem custo alto Imagem: Fernando Torres / CBF
Marcel Rizzo

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Colunista do UOL

01/05/2020 10h30

O gasto da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) com o Campeonato Brasileiro da Série A aumentou 440% em 2019, comparado com 2018, com a utilização do VAR (árbitro de vídeo), que estreou no ano passado nos 380 jogos. Os números estão no balanço financeiro divulgado pela entidade.

Em 2019, a confederação colocou R$ 18,2 milhões na Série A — em 2018 o valor foi de R$ 3,4 milhões e em 2017 R$ 2,7 milhões. A entidade tem normalmente gastos menores nas suas duas divisões de elite, já que os clubes pagam a maior parte dos custos, como viagens e hospedagens.

No ano passado, porém, a CBF gastou R$ 12 milhões somente para a implantação do VAR — os clubes dividiram os R$ 7 milhões restantes (quase R$ 350 mil para cada um dos 20 participantes). Na Série B, por exemplo, a CBF investiu R$ 3,24 milhões — a segunda divisão brasileira não usa o árbitro de vídeo. Para as Séries C e D o gasto da confederação é maior porque paga custos das equipes, como os deslocamentos e hotéis: a terceira custou R$ 33,9 milhões e a quarta outros R$ 36,4 milhões.

O alto custo do VAR pode inviabilizar sua utilização na Série A em 2020. Clubes já avisaram a CBF que não poderão gastar os R$ 350 mil necessários para a implantação por causa da crise econômica gerada pela pandemia do novo coronavírus. A CBF não deve bancar sozinha, apesar de ter tido ótimo resultado financeiro no ano passado.

A entidade teve em 2019 um lucro de R$ 190 milhões e uma arrecadação recorde de R$ 901,9 milhões.

Marcel Rizzo